Nesta semana, o Centro de Embarcações do Comando Militar da Amazônia (CMA) em Manaus foi o ponto de partida para mais uma crucial missão de apoio às comunidades afetadas pela estiagem no Amazonas. Como parte da Operação Estiagem, sob o Comando Operacional Conjunto Amanaci, mais de 76 toneladas de alimentos foram enviadas para a região de São Gabriel da Cachoeira, marcando um esforço contínuo das Forças Armadas — incluindo a Marinha, o Exército e a Força Aérea — para mitigar as dificuldades enfrentadas pelas comunidades locais.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Objetivo e Escopo da Operação Amanaci

A Operação Amanaci, ativada pelo Ministério da Defesa em resposta à intensa seca que persiste desde o segundo semestre de 2023, tem como objetivo principal garantir a distribuição de recursos essenciais como alimentos, água potável, e medicamentos. Esta iniciativa visa assegurar que as comunidades indígenas e ribeirinhas, que estão entre as mais vulneráveis, tenham acesso continuado a necessidades básicas durante períodos de escassez de recursos.

Distribuição Logística e Beneficiários

blank

A logística da operação foi cuidadosamente planejada para alcançar a eficácia máxima na entrega de aproximadamente 3.700 cestas de alimentos, beneficiando diretamente milhares de residentes das regiões mais remotas. Os beneficiários incluem:

  • Comunidades de Ariabu e Maturacá: Receberão mais de mil cestas.
  • Calha do Rio Negro, perto de São Gabriel: Destinadas 426 cestas.
  • Calha do Rio Cauaburi: Mais de 600 cestas distribuídas.
  • Calha do Rio Marauá: Aproximadamente 1.400 cestas entregues.

Importância da Ação Logística

Esta ação não é apenas uma resposta emergencial, mas também uma estratégia proativa para fortalecer a resiliência dessas comunidades contra futuras crises de abastecimento. A escolha de rotas fluviais, facilitada pela recente subida dos níveis de água, tem sido fundamental para alcançar áreas que são normalmente inacessíveis por terra devido à infraestrutura limitada e ao terreno desafiador da região amazônica.

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).