blank

Google News

A segunda edição do Ciclo Anual de Palestras de 2022 (CAP 2022) da Escola Superior de Defesa (ESD), do Ministério da Defesa (MD), contou com exposição do Ministro de Minas e Energia, Almirante de Esquadra Bento Albuquerque. A apresentação, sobre “Os Desafios Energéticos do Brasil”, ocorreu em Brasília (DF), nesta quinta-feira (7). A audiência contou com a presença dos alunos do Curso de Altos Estudos em Defesa (CAED) e do Curso Superior de Inteligência Estratégica (CSIE), além do Corpo Permanente da Escola.

Entre no canal do Defesa em Foco no Whatsapp e fique por dentro de todas as notícias do dia

O objetivo foi ampliar a visão dos alunos sobre os desafios enfrentados pelo Estado brasileiro na questão energética, a partir da integração de percepções no campo da Segurança, do Desenvolvimento e da Defesa.

IMG-20220408-WA0025.jpg

Durante a apresentação, o Ministro destacou números do contexto internacional, em que o Brasil se apresenta em posição de referência. “Somos o sétimo maior produtor de petróleo do mundo, atrás dos Estado Unidos, da Rússia, da Arábia, da China, do Iraque e do Canadá. Somos o segundo maior país em geração hidroelétrica do mundo; e o segundo maior produtor e consumidor do mercado de biocombustíveis”, destacou.

Quanto aos desafios, o palestrante citou os resultados e a variação da demanda de consumo durante a pandemia, a partir de 2020; a escassez hídrica em 2021, considerada a pior dos últimos 92 anos; e, mais recentemente, o conflito no leste europeu e suas consequências.

IMG-20220408-WA0024.jpg

Apesar dos entraves, o Ministro afirmou que o balanço do setor é positivo. “A nossa matriz energética, hoje, apresenta 18% de origem da cana de açúcar. O consumo de combustível (etanol, gasolina e óleo diesel) gera valor de R$ 607 bilhões, ou seja, 50,4% da receita líquida da União em 2020”, explicou.

Para concluir, o palestrante enfatizou que o bom desempenho da área é resultado do aperfeiçoamento dos marcos regulatórios, do investimento direto, do bom planejamento e da boa governança. “Somos um país privilegiado, com uma matriz diversificada de fontes energéticas. “Isso é fundamental para o nosso setor enérgico”, finalizou.

Por Tenente Cristiane dos Santos (ESD)
Fotos: Sargento da Rocha e Cabo Carvalho