No coração da exuberante Floresta Amazônica, cerca de 150 militares dos Estados Unidos embarcaram em uma jornada desafiadora que durou três dias. Eles participaram do Estágio de Adaptação e Vida na Selva no 2° Batalhão de Infantaria de Selva, situado em Belém, Pará. Este evento marcou o início da CORE23 (Combined Operation and Rotation Exercise), um exercício bilateral entre os Exércitos do Brasil e dos Estados Unidos da América.

Aprender para Sobreviver na Selva

Durante o estágio, os militares norte-americanos receberam treinamento essencial em sobrevivência na selva. Isso incluiu instruções sobre construção de abrigos, obtenção de alimentos, água e fogo, além de técnicas de orientação e navegação fluvial. A experiência foi intensa, com os estagiários enfrentando as frequentes chuvas de Belém e lidando com os desafios da selva amazônica.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Desafios e Recompensas na Selva

article 6

O cansaço e o constante estado de molhado foram desafios enfrentados pelos militares durante o treinamento, mas também foi uma oportunidade única de se conectar com a natureza. A Soldado Casey, por exemplo, destacou que, embora não tenha gostado dos insetos, ficou impressionada com a fauna local e achou os exercícios muito divertidos e memoráveis.

Próximas Etapas da CORE23

A CORE23 continuará com suas próximas fases, programadas para ocorrer entre os dias 6 e 16 de novembro, em várias localidades no estado do Amapá. Essa colaboração entre os Exércitos do Brasil e dos EUA visa fortalecer os laços e a integração entre as forças militares de ambos os países.

Os militares norte-americanos que participaram do Estágio de Adaptação e Vida na Selva receberam o brevê de Selva em uma emocionante cerimônia de encerramento. O General de Brigada André Laranja Sá Correa, Chefe do Centro de Coordenação de Operações do Comando Militar do Norte, elogiou a resistência dos estagiários e destacou a importância da integração entre as forças. Esta experiência única na selva amazônica reforça os laços de cooperação entre Brasil e Estados Unidos.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).