A performance dos militares atletas do Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR), do Ministério da Defesa, em parceria com o Ministério da Cidadania, contribuiu para que o Brasil alcançasse a 12ª posição do quadro geral de medalhas, nas Olimpíadas de Tóquio. Foi o melhor desempenho do País em Jogos Olímpicos, superando a edição Rio-2016 em número total de medalhas.

Os militares atletas conquistaram oito das 21 medalhas do Time Brasil. Nesta edição, o País foi representado, em 35 modalidades, por 303 atletas, dos quais 93 são militares das Forças Armadas. Em 13 modalidades, houve a participação dos atletas do PAAR.

Para a competição, ação interministerial do Ministérios da Defesa, da Saúde e da Cidadania, com apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), possibilitou a vacinação dos atletas brasileiros contra a Covid-19. Com a imunização dos atletas e com os protocolos da Organização Mundial da Saúde, não houve registro de contaminação entre os competidores.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Medalhistas.png

Confira um pouco desses militares atletas, que superaram seus limites e venceram competições acirradas.

 Ana Marcela

A Sargento conquistou o ouro na maratona aquática, ao concluir a prova dos 10km com o tempo de 1h59m30s8. Natural da Bahia, Ana Marcela começou a nadar com dois anos e iniciou sua carreira em Jogos Olímpicos aos 16, na competição em Pequim, na China, em 2008.

Kahena Kunzi

A também Sargento competiu com Martine Grael e a dupla garantiu o ouro na vela. Este é o segundo ouro delas em Jogos Mundiais para o Brasil, sendo o primeiro nas Olimpíadas Rio 2016.

Hebert Conceição

O Sargento também garantiu o lugar mais alto do pódio após enfrentar o campeão mundial de 2017, o ucraniano Oleksandr Khyzhniak. A disputa foi bastante acirrada e Hebert chegou a perder os dois primeiros rounds. No entanto, o militar conseguiu mudar o jogo poucos minutos antes do final e conquistar o ouro na categoria até 75kg do boxe.

Beatriz Ferreira

A Sargento garantiu a medalha de prata para o Brasil no boxe ao disputar com a irlandesa Kellie Anne Harrington. Elas competiram na categoria até 60kg.

Alison dos Santos

O Sargento Alison dos Santos conquistou medalha de bronze no Estádio Olímpico de Tóquio, na modalidade atletismo – 400m com barreiras. Nascido em São Joaquim da Barra (SP), o militar atleta completou a distância em 46s72, considerado o tempo mais rápido da sua carreira.

Daniel Cargnin

O Sargento Daniel Cargnin, de 23 anos, foi o primeiro militar atleta a subir no pódio nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão, ao conquistar a medalha de bronze no judô, na categoria peso meio-leve, até 66kg. Cargnin foi considerado um dos 10 melhores judocas do mundo.

Fernando Scheffer

Ganhador da primeira medalha brasileira na natação nos Jogos Olímpicos em Tóquio, o Sargento cumpriu a prova de 200m livre em 1min44s66, garantindo a medalha de bronze. Natural de Canoas, no Rio Grande do Sul, o militar atleta garantiu a 14ª conquista do Brasil na modalidade.

Abner Teixeira

O Sargento conquistou a medalha de bronze no boxe, na categoria pesado, até 91 kg. Ele encerrou a competição na terceira colocação geral, ao disputar a semifinal com o cubano Julio Cesar La Cruz. O pugilista integra a equipe olímpica brasileira desde 2017.

 Com informações COB e DDM
Fotos: Jonne Roriz/COB, Wander Roberto/COB, Satiro Sodré/SSPress/CBDA, Gaspar Nóbrega/COB

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).