O Ministério da Defesa informa que, assim que foram divulgadas as primeiras informações sobre o desaparecimento do indigenista Bruno Araújo Pereira, servidor da Funai, e do jornalista inglês Dom Philips, na região do Vale do Javari, em Atalaia do Norte, Amazonas, as Forças Armadas iniciaram as atividades de busca.

Imediatamente, a Marinha do Brasil enviou ao local uma equipe de Busca e Salvamento (SAR) da Capitania Fluvial de Tabatinga. Ainda na segunda-feira (06), com o auxílio de uma lancha, os militares percorreram os rios Javari, Itaquaí e Ituí, no interior do estado. Nesta terça-feira (07), somando-se aos esforços, a Marinha empregou um helicóptero, embarcações e uma moto aquática.

Desde ontem (06), o Exército colabora empregando cerca de 150 militares especialistas em operações em ambiente de selva, que conhecem o terreno onde se desenvolvem as buscas. Além disso, a Força Terrestre apoiará a Polícia Federal com o emprego de um helicóptero, agregando mobilidade às ações interagências.

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui