A Força Aérea Brasileira (FAB) atingiu a marca de 2.000 horas de voo na Operação Taquari 2, uma missão humanitária crucial em resposta às enchentes no Rio Grande do Sul (RS). A operação envolve 26 aeronaves de diferentes aviações, incluindo C-98 Caravan, KC-390 Millennium, KC-30, C-105 Amazonas, H-60 Black Hawk e H-36 Caracal.

Ações Humanitárias e Logísticas

As aeronaves da FAB têm realizado diversas missões para apoiar as vítimas das enchentes, incluindo:

  • Lançamentos aéreos de doações
  • Resgates de pessoas ilhadas
  • Transporte de toneladas de donativos
  • Montagem de módulos para Hospitais de Campanha
  • Evacuações aeromédicas

Essas atividades são coordenadas pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) a partir das Bases Aéreas de Santa Maria (BASM), Canoas (BACO) e Florianópolis (BAFL).

Importância das Missões

O Brigadeiro do Ar Alessandro Cramer, Chefe do Centro Conjunto de Operações Aeroespaciais do COMAE, destacou a importância das operações:

“A marca atingida representa a pronta-resposta da FAB, em especial de suas Unidades Aéreas, para atender às necessidades da sociedade nas enchentes do Rio Grande do Sul. Porém, mais importante que as horas voadas são as vidas dos brasileiros salvas nos resgates, nos transportes de donativos, nas evacuações aeromédicas, enfim, em todas as ações da FAB em prol da população atingida.”

Detalhes das Operações Aéreas

Aeronaves de Transporte

blank

C-98 Caravan e C-97 Brasília operadas por diversos esquadrões, incluindo o 2º ETA – Esquadrão Pastor e 6º ETA – Esquadrão Guará, têm sido fundamentais no transporte logístico de donativos e militares.

C-105 Amazonas, operadas pelo 1º/9º GAV – Esquadrão Arara e 1º/15º GAV – Esquadrão Onça, são usadas para ressuprimento aéreo, transporte de equipamentos médicos e missões de UTI Aérea. O KC-390 Millennium, operado pelo 1º/1º GT – Esquadrão Gordo e 1º GTT – Esquadrão Zeus, realiza lançamentos de cargas e transporte logístico de materiais.

Helicópteros

H-60L Black Hawk, operados pelo 2º/10º GAV – Esquadrão Pelicano e 5°/8° GAV – Esquadrão Pantera, e H-36 Caracal, operados pelo 3°/8° GAV – Esquadrão Puma e 1°/8° GAV – Esquadrão Falcão, são utilizados para infiltração e exfiltração de tropas, além de evacuações aeromédicas e resgates.

Missões Especiais

A-1M do 1°/10° GAV – Esquadrão Poker realiza mapeamento de estruturas em risco, enquanto a Aeronave Remotamente Pilotada (ARP) RQ-900, operada pelo 1º/12º GAV – Esquadrão Hórus, apoia nos resgates.

Contribuição da FAB

A contribuição da FAB na Operação Taquari 2 demonstra a importância da prontidão e capacidade das Forças Armadas em responder a emergências humanitárias. O trabalho conjunto das aeronaves e dos militares envolvidos assegura que a população afetada pelas enchentes no Rio Grande do Sul receba o apoio necessário para enfrentar essa crise.

Marcelo Barros, com informações e imagens da Agência Força Aérea
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui