Teve início, nessa terça-feira (16/08), um dos maiores treinamentos de guerra promovido pela Força Aérea Brasileira (FAB): o Exercício Conjunto (EXCON) Tápio 2022, que está sendo realizado na Base Aérea de Campo Grande (BACG), no Mato Grosso do Sul. Até o dia 03 setembro, cerca de 30 aeronaves e mais de 16 Unidades Aéreas, além de Unidades de Infantaria, participarão de atividades operacionais que simulam um cenário de guerra.

Durante o Exercício, serão treinadas Ações de Força Aérea em uma possível participação da FAB em missões de paz da ONU, com o objetivo de contribuir para a ordem e a paz mundial e compromissos internacionais, garantindo a soberania, a integridade territorial e a defesa patrimonial, além de promover ajuda humanitária.

Militares e vetores são dispostos em cenário de guerra não convencional, no qual o combate é contra forças insurgentes ou paramilitares e não entre dois estados constituídos. Dentre as atividades, estão missões de Ataque, Reconhecimento Aeroespacial, Infiltração Aérea, Busca e Salvamento em Combate, entre outras. Aeronaves das Aviações de Caça, Transporte, Reconhecimento e Asas Rotativas participam das duas fases do exercício. Entre elas, estão os caças A-1 AMX e A-29 Super Tucano; as aeronaves C-130 Hércules, C-105 Amazonas, E-99, R-99 e C-98 Caravan, e os helicópteros H-36 Caracal e H-60L Black Hawk.

Interoperabilidade

Este ano, a atividade, em sua quinta edição, passou a ser denominada EXCON, pois contará com a participação das outras Forças Armadas. O Diretor do Exercício e Comandante da BACG, Brigadeiro do Ar Clauco Fernando Vieira Rossetto, explica que a mudança visa demonstrar a importância da interoperabilidade para a defesa do País. “Com o EXCON Tápio, mostramos a capacidade de operar de maneira integrada, coordenada e harmônica e que essa característica é necessária para que, em uma situação de conflito, as Forças tenham o domínio dos seus ambientes de interesse e impeçam que o inimigo faça o mesmo”, ressalta.

O Diretor do Exercício acrescenta, ainda, que a realização do Exercício é fundamental para garantir a continuidade da capacitação operacional dos militares. “Também nos capacita para a pronta resposta no emprego em diversas missões que são executadas pela Força”, conclui o Brigadeiro Rossetto.

Participação de Forças amigas

Nesta edição, haverá a participação da Guarda Nacional Americana de Nova York e de Idaho (NYANG e IDANG) no período de 20 a 30 de agosto. Elas vão agregar ao EXCON trazendo capacidades de emprego de meios de Força Aérea em um ambiente de guerra irregular. Além disso, essa oportunidade de intercâmbio, permite que a FAB esteja evoluindo doutrinariamente com as TTP (Táticas, Técnicas e Procedimentos) de uma força armada que está em constante provação no cenário global contra esse tipo de ameaça.

Desde 2018, os norte-americanos têm visitado a BACG e, pelo segundo ano consecutivo, têm vindo com meios aéreos e pessoal especializado para participar do exercício. Nesta edição, haverá voos conjuntos (aeronaves americanas sendo escoltadas por aeronaves brasileiras), voos de intercâmbio (militares americanos nas aeronaves brasileiras e militares brasileiros nas aeronaves americanas) e participação dos americanos no manning do EXCON, ou seja, ajudando na construção dos cenários de treinamento.

Aproximadamente 100 militares de diversas especialidades participam do exercício. A mobilização e a desmobilização dos norte-americanos serão realizadas por aeronaves C-17. Como participantes do EXCON, haverá três HH-60G Pave Hawk e um HC-130J Combat King, ambas aeronaves concebidas para o Personal Recovery, que engloba diversas ações de recuperação de pessoal, dentre elas, o CSAR – Busca e Salvamento em Combate.

Saiba mais

O Exercício Tápio surgiu em 2018, com o objetivo de adestrar os Esquadrões Aéreos da FAB e as Unidades de Infantaria do COMPREP no cumprimento de Ações de Força Aérea em cenário similar ao encontrado em missões de paz da ONU, envolvendo simulações de Busca e Salvamento em Combate, Apoio Aéreo Aproximado, Lançamento de Paraquedistas e Cargas, Reconhecimento Aéreo, Evacuação Aeromédica, entre outras. Na Tápio, diversos Esquadrões da FAB e Unidades de Infantaria se encontram em Campo Grande (MS), possibilitando maior interação entre as diferentes aviações e promovendo um exercício operacional com atividades menos fragmentadas.

Fotos: Sargento Bianca / CECOMSAER

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui