Foto: Reprodução

Policiais militares e bombeiros militares, tanto ativos quanto inativos, poderão agora possuir até quatro armas, conforme a Portaria 225 publicada pelo Exército no Diário Oficial da União nesta terça-feira (4). Antes, a permissão era restrita a apenas duas armas. A nova regra também se aplica aos integrantes do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

Detalhes da Portaria

A portaria, assinada pelo general de Exército Flavio Marcus Lancia Barbosa, estabelece que duas das quatro armas permitidas poderão ser de uso restrito, sendo que uma dessas poderá ser uma arma portátil longa, como um fuzil.

Militares que adquirirem armas enquanto estiverem em serviço ativo terão o direito de mantê-las após passarem para a inatividade. Esta mudança vem para corrigir uma decisão tomada em maio, que havia reduzido a permissão para duas armas por militar inativo.

Impacto na Segurança Pública

Essa medida visa melhorar a segurança e a autodefesa dos profissionais que atuam na linha de frente da segurança pública. A ampliação do limite de armas é vista como uma forma de valorizar e proteger esses agentes, que frequentemente enfrentam situações de risco tanto em serviço quanto fora dele.

Repercussão entre os Militares

A decisão foi recebida com entusiasmo pelos militares e bombeiros, que argumentam que a possibilidade de possuir armas adicionais pode aumentar a eficácia na resposta a ameaças. A inclusão de armas de uso restrito, como fuzis, é particularmente significativa, dado o aumento da criminalidade e das situações de alta periculosidade enfrentadas por esses profissionais.

Com informações da Agência Brasil

EXÉRCITO BRASILEIRO CONTRIBUI PARA DESARTICULAÇÃO DE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA EM OPERAÇÃO CONJUNTA

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui