PMESP

Após 12 dias de intensas buscas, a Polícia Militar e a Polícia Civil de São Paulo finalmente localizaram os destroços do helicóptero desaparecido no município de Paraibuna, no Vale do Paraíba. Infelizmente, os quatro ocupantes da aeronave foram encontrados mortos. A operação agora se concentra em mapear e abrir um caminho na mata para permitir que os peritos cheguem ao local do acidente e comecem os trabalhos de investigação.

Trabalho Conjunto e Táticas de Busca

A descoberta do helicóptero é resultado de uma operação multiagências e de inteligência, que envolveu a delimitação de uma área de busca de 12 quilômetros quadrados. A mudança de tática para um voo mais lento e minucioso foi crucial para o sucesso da operação.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Dificuldades e Desafios

As equipes enfrentaram condições meteorológicas adversas durante as buscas, mas a melhoria do clima na tarde anterior à descoberta ajudou a delimitar com precisão a área onde o helicóptero poderia estar. As buscas contaram com mais de 100 chamadas via 190 e 193, com relatos de avistamento da aeronave.

Esforços Coordenados

A operação envolveu a Força Aérea Brasileira, a Polícia Militar, a Polícia Civil e o Corpo de Bombeiros de São Paulo, demonstrando uma coordenação eficaz entre diferentes agências. O total de horas dedicadas à busca foi de 68 pela Polícia Militar e 62 pela Polícia Civil.

Um Trágico Desfecho com Lições Importantes

A localização do helicóptero desaparecido traz um desfecho trágico para o incidente, mas ressalta a importância da resposta rápida e da colaboração entre várias agências em operações de resgate. Aguarda-se agora o início da perícia para determinar as causas do acidente, em um esforço para prevenir futuras tragédias.

Com info da Agencia Brasil

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).