O Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior, e o Embaixador do Reino Unido, Peter Wilson, se reuniram nessa segunda-feira (28), em Brasília (DF), para tratar de assuntos relevantes para a Força Aérea Brasileira (FAB). A visita também contou com a presença do Adido de Defesa do Reino Unido, Capitão da Real Marinha Britânica Mark Albon, e do Chefe da Segunda Subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica, Brigadeiro do Ar Paulo Roberto de Carvalho Júnior.

Durante a reunião, o Embaixador comentou que a Global Air Chiefs’ Conference 2021, que é uma conferência com comandantes e representantes das forças aéreas mundiais, não poderá ser realizada presencialmente, mas sim virtualmente, nos dias 14 e 15 de julho, por conta da pandemia da COVID-19. Entretanto, enfatizou que o encontro virtual será de grande relevância para o contexto das relações de cooperação entre as forças aéreas das nações participantes do evento.

O representante do Reino Unido também tratou da iniciativa britânica denominada “Revisão Integrada”, uma proposta lançada pelo governo britânico com a intenção de aumentar, substancialmente, os investimentos em defesa e cooperação com as nações amigas, com reflexos que poderão contemplar a Força Aérea Brasileira. Neste quesito, o Embaixador informou que o Brasil ocupa uma posição de destaque no cenário mundial e que, desta forma, o governo britânico deseja cooperar nos assuntos de segurança, defesa, desenvolvimento, política externa e também na área espacial do País.

Nesse contexto, o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro Baptista Junior, convidou o Embaixador para conhecer o Centro de Operações Espaciais (COPE), assim como o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) e o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA). O objetivo é que a representação diplomática do Reino Unido no Brasil possa conhecer com maior profundidade o Programa Espacial Brasileiro e, assim, possam estreitar com a FAB parcerias ainda mais profícuas e vantajosas para ambos os países.

As autoridades trataram ainda sobre a intenção da Força Aérea Brasileira (FAB) em adquirir aeronaves de reabastecimento em voo, a MRTT, sigla em inglês para Multi Role Tanker Transport, empreitada do governo brasileiro que conta com prioridade dada pelo Comando da Aeronáutica, em virtude das lacunas operacionais de caráter estratégico a serem preenchidas com essa nova capacidade a ser incorporada pela FAB. Nesse processo, que está sendo tratado pelo Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER), a negociação pode avançar no sentido de se avaliar oportunidades de possíveis equipamentos que possam ser oferecidos pelas Forças Armadas do Reino Unido e que já contam com alto grau de compatibilidade com as capacidades operacionais já implantadas na FAB.

Fotos: Soldado Wilham Campos/CECOMSAER

Marcelo Barros, com informações e imagens da Agência Força Aérea
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui