A história da aviação no Brasil vai além dos 80 anos de existência da Força Aérea Brasileira (FAB). A indústria aeronáutica nacional não existiria sem a contribuição de pessoas dedicadas à ciência e ao desenvolvimento do País ao longo de toda a história nacional, como o “Pai da Aviação”, o célebre Alberto Santos-Dumont. O jovem sonhador alçou novos ares quando, em 23 de outubro de 1906, uma aeronave, denominada 14-Bis, decolou no Campo de Bagatelle (França), mantendo-se a três metros de altura ao longo de 60 metros. Era o marco da aviação e em sua homenagem a tal feito o Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira é comemorado em 23 de outubro de cada ano.

Outro visionário, foi Casimiro Montenegro Filho, que assumiu a missão de fundar as bases de uma indústria de aviação nacional. Nascia, assim, o Centro Técnico de Aeronáutica (CTA) e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), a primeira escola de formação de engenheiros aeronáuticos do Brasil, no ano de 1950, na cidade de São José dos Campos (SP).

i2112211522504081Vale destacar, ainda, o grande marco da época, o projeto do primeiro avião comercial desenvolvido no Brasil, liderado pelo Major Aviador e Engenheiro formado no ITA (turma 1962), Ozires Silva: a construção da aeronave Bandeirante, que realizou o seu voo inaugural em 22 de outubro de 1968. A aeronave estimulou a aviação regional no País e deu início à Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) que viria a se tornar a terceira maior fabricante de aeronaves comerciais do mundo.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

A criação do CTA, atual Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), trouxe oportunidades, desafios e um futuro promissor para o desenvolvimento tecnológico do País. Em seus mais de 50 anos de história, o DCTA tem como missão “Desenvolver soluções científico-tecnológicas no campo do Poder Aeroespacial, a fim de contribuir para a manutenção da soberania do espaço aéreo e a integração nacional”, fator que impulsiona essa Organização Militar a buscar meios de contribuir com o desenvolvimento da sociedade e domínio do setor aeroespacial.

Para o Diretor-Geral do DCTA, Tenente-Brigadeiro do Ar Hudson Costa Potiguara, a Organização Militar apresenta em toda sua história grandes feitos que tem impulsionado ainda mais o desenvolvimento tecnológico. “O DCTA é responsável por entregas de grande relevância para a sociedade, isso remonta desde invenções como o motor a álcool que foi concebido aqui. A produção de tecnologia e inovação é o que move o Departamento. Todo conhecimento empregado em projetos revela a maturidade e entrosamento sinérgico entre pesquisa pura e aplicada” afirma o Oficial-General.

A Era Espacial Brasileira

i2112211522301798A FAB deu início a seus trabalhos e estudos no setor Espacial no ano de 1963 com a criação do atual Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), localizado em Natal, no Rio Grande do Norte. Mais tarde, com a criação do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) foi desenvolvido a família Sonda de foguetes, que permitiu ao Brasil o domínio das tecnologias necessárias para o projeto de um Veículo Lançador de Satélites (VLS) e incitou a construção de um novo centro de lançamento de foguetes, uma vez que o CLBI não comportava o lançamento de um foguete do porte do VLS. Nascia assim, em 1983, o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) com o objetivo de realizar lançamentos e rastreio de engenhos aeroespaciais, ampliando a capacidade científica, tecnológica e de inovação da FAB.

Vale ressaltar que as tecnologias do setor espacial costumam ser de conhecimento restrito aos países detentores desse conhecimento. Nesse sentido, o domínio de tecnologia no setor aeroespacial proporciona a autonomia aos países que a detém, evidenciando a capacidade da indústria nacional, além da grande visibilidade e projeção de poder no cenário mundial.

A Era Hipersônica Brasileira

i2112211522306484O setor aeroespacial, desde o último século, busca evoluir e encontrar alternativas para tornar o voo hipersônico uma realidade. Nesse sentido, o DCTA tem em seu escopo um projeto que visa demonstrar toda a capacidade do Brasil em desenvolver um motor hipersônico e foguetes para a realização de experimentos aeroespaciais. O projeto de Propulsão Hipersônica 14-X (PropHiper), desenvolvido pelo Instituto de Estudos Avançados (IEAv) desde 2008, visa capacitar o Brasil na área estratégica e prioritária da hipersônica por meio da operação em voo de um sistema com propulsão hipersônica aspirada (tecnologiaScramjet).

O projeto 14-X foi batizado desta forma em homenagem ao centenário, em 2006, do primeiro voo do 14-Bis. Fato que contribui para o surgimento da Campanha atual do “14-Bis ao 14-X”, que foi pensada por demonstrar a concepção de duas grandes ideias. Nesse sentido, o 14-X evidencia a mesma importância que o 14-Bis teve na época para Santos-Dumont, um homem que rompeu as barreiras da tecnologia e inovação, fato que o projeto hipersônico visa alcançar na atualidade, uma vez que iremos utilizar um veículo espacial para habilitar uma tecnologia Aeronáutica.

Na próxima reportagem do especial “Do 14-Bis ao 14-X”, confira como o Projeto vem sendo desenvolvido e como será a Operação Cruzeiro, na qual ocorrerá o lançamento Veículo Acelerador Hipersônico (VAH) equipado com a carga útil do IEAv, denominada 14-XS, com a finalidade de proporcionar as condições necessárias para o ensaio em voo do Demonstrador de Tecnologia Scramjet (DTS), a partir do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e utilizando o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) como Estação Remota.

Fotos: DCTA

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).