Bandeira da China

As autoridades de saúde da China forneceram à Organização Mundial da Saúde (OMS) dados sobre o aumento das doenças respiratórias no país, incluindo surtos de pneumonia em crianças. Respondendo às preocupações da OMS sobre um possível surgimento de novos patógenos, as autoridades chinesas afirmaram que não identificaram patógenos incomuns ou apresentações clínicas fora do comum nas regiões de Pequim e da província de Liaoning.

Investigação da OMS sobre Surto de Pneumonia

A OMS, preocupada com o crescimento das infecções respiratórias na China, solicitou informações detalhadas sobre um surto de pneumonia entre crianças no país. Relatos iniciais de surtos de pneumonia não diagnosticada no norte da China levantaram questões sobre possíveis novos agentes patogênicos. No entanto, a relação entre esses casos e o aumento de infecções respiratórias reportadas anteriormente pelas autoridades chinesas ainda não está clara.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Contexto das Doenças Respiratórias na China

As autoridades chinesas da Comissão Nacional de Saúde relataram um aumento na incidência de doenças respiratórias, atribuindo-o ao levantamento das restrições da pandemia de COVID-19 e à circulação de patógenos conhecidos, como a gripe, Mycoplasma pneumoniae, vírus sincicial respiratório (RSV) e SARS-CoV-2.

Medidas de Vigilância e Capacitação do Sistema de Saúde

Diante desse cenário, as autoridades chinesas enfatizaram a importância de intensificar a vigilância das doenças em instalações de saúde e na comunidade. Além disso, destacaram a necessidade de fortalecer a capacidade do sistema de saúde para atender adequadamente os pacientes afetados por essas doenças.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).