A formação de pessoal altamente qualificado para atuar na indústria foi o principal tema de reunião entre a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) na tarde desta quinta-feira, 25 de fevereiro. O encontro foi realizado na sede da Fundação, em Brasília.
O ITA possui indicadores de relação com a indústria comparáveis aos do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e do California Institute of Technology (Caltech), ambos dos Estados Unidos. A comparação é feita pela Elsevier, companhia de análise de informações sobre negócios especializada em ciência.
“Foram muito importantes os dados apresentados pelo ITA, que demonstram grandes avanços de cooperação com a indústria. Tradicionalmente, temos concentrado os esforços da pós-graduação brasileira na formação de profissionais para a academia, mas além disso, é fundamental a formação de pesquisadores para a indústria. Nosso País tem um potencial enorme e deve ser explorado”, disse Benedito Aguiar, presidente da CAPES.
Um exemplo do que pode ajudar nessa relação entre academia e indústria é o mestrado profissional em Computação do ITA, aprovado recentemente pela CAPES. Em parceria com a Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), este será mais um curso para a instituição de ensino sediada em São José dos Campos (SP) que publicou quase quatro mil artigos nos últimos 10 anos.
Anderson Correia, reitor do ITA, observou que “a melhor forma de aumentar o impacto científico do ITA é investindo em programas de pós-doutorado para os professores”. Ex-presidente da CAPES, ele classificou o Programa Institucional de Internacionalização da CAPES (CAPES/PrInt) como uma “excelente ferramenta” para esse fim.
Também participaram da reunião Flávio Camargo, diretor de Avaliação da CAPES, e Priscila Fernandes, professora do Laboratório de Bioengenharia do ITA.
Por: Redação CCS/CAPES
Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui