Por Júlia Campos

Em 30 dias, terão início os Jogos Olímpicos de Tóquio, no Japão. Até o momento, dos 272 brasileiros classificados para a competição, 73 integram o Programa Atletas de Alto Rendimento das Forças Armadas (PAAR), o que representa 27% do Time Brasil. E esse número pode crescer, pois, até julho, ainda há competições pré-olímpicas com possibilidade de mais classificações para os militares atletas.

Das 33 modalidades previstas nos Jogos Olímpicos, os atletas do PAAR competirão em 19: atletismo, canoagem, canoagem velocidade, ciclismo moutain bike, ciclismo BMX, ginástica, natação, tiro com arco, triatlo, boxe, esgrima, vôlei de praia, judô, maratona aquática, pentatlo moderno, remo, taekwondo, vela e wrestling.

Preparação
Líder do ranking mundial de boxe, a 3º Sargento da Marinha Beatriz Ferreira, 28 anos, prepara-se para disputar a primeira olimpíada da sua carreira, na categoria até 60 kg. Mesmo com as dificuldades da pandemia e com treinamentos à distância, a atleta garante que teve todo o suporte para manter o alto nível nas competições. “Eu estou bem positiva, concentrada e me sinto pronta. É um orgulho ter essa oportunidade de disputar os Jogos Olímpicos e fazer parte da Marinha. Fico mais confiante, com o apoio recebido, para realizar um sonho que é trazer uma medalha e estar no pódio”, disse.

Também no boxe, o 3º Sargento do Exército Keno Marley, 21 anos, é promessa de bons resultados na categoria até 81 kg. Aos 19 anos, foi vice-campeão no Pan-Americano em Lima-2019, no Peru, e medalha de ouro nos Jogos Olímpicos da Juventude, disputados em Buenos Aires, na Argentina, em 2018. “Estou me preparando há bastante tempo. O PAAR tem uma importância grande, pois eu consigo me manter no esporte e com alto rendimento”, afirmou.

Com a proximidade dos Jogos Olímpicos, o 3º Sargento da Aeronáutica Caio Souza, 27 anos, chegará ao Japão com conquistas importantes. No início deste mês, no Pan-Americano de Ginástica Artística, que ocorreu no Rio de Janeiro, Caio Souza subiu cinco vezes no lugar mais alto do pódio. Ele venceu as provas: individual geral, salto, argolas, barras paralelas e a competição por equipes. “Representar o meu País nos Jogos Olímpicos é um sonho que eu sempre tive. As expectativas estão só crescendo, a gente está trabalhando muito firme. Quero só chegar lá e poder desempenhar meu trabalho da melhor maneira”, destacou o atleta.

Imunização
Para a segurança dos atletas olímpicos, paralímpicos e das comissões técnicas que representarão o Brasil em Tóquio, ação interministerial com a participação das Pastas da Defesa, da Saúde e da Cidadania, com apoio do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), possibilitou a vacinação contra a Covid-19. A imunização teve início em 14 de maio e ocorre no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte e Fortaleza. Até a primeira quinzena de julho, o Time Brasil estará imunizado com as duas doses da vacina.

Alto nível
O Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR) foi criado em 2008, por iniciativa do antigo Ministério do Esporte, hoje Cidadania, em parceria com o Ministério da Defesa. A iniciativa contribui para fortalecer a equipe militar brasileira em eventos esportivos de alto nível e, também, conta com envolvimento do COB, dos Clubes, aos quais os atletas do Programa pertencem, e das Confederações e Federações Esportivas.

Os militares atletas, que integram o Programa, têm à disposição todos os benefícios da carreira, como direito à assistência médica, incluindo nutricionista e fisioterapeuta. Eles também dispõem de instalações esportivas militares para treinamento, que são o Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes – CEFAN, da Marinha; o Centro de Capacitação Física – CCFEx e o Complexo Esportivo de Deodoro, do Exército; e a Universidade da Força Aérea – UNIFA, da Aeronáutica.

Fotos: Rodolfo Vilela/Ministério da Cidadania, Pedro Ramos/rededoesporte.gov.br e Ricardo Bufolin/CBG

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui