O satélite SPORT (Scintilation Prediction Observations Research Task), desenvolvido pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), pela NASA, pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais (INPE) e por universidades americanas, foi aprovado pela NASA e pela Agência Espacial Brasileira (AEB) na revisão de pré-embarque. O procedimento foi realizado no dia 01/07, no Laboratório de Integração (LIT) do INPE. O cumprimento da etapa foi necessário para a liberação e o envio a Houston (Texas), realizado no dia 04/07, onde aguardará o embarque para a Base de Walloups (Virgínia) e o lançamento com destino à Estação Espacial Internacional (ISS – International Space Station). Da ISS, o satélite será lançado para sua posição de observação no espaço.

O satélite, desenvolvido pela Organização Militar da Força Aérea Brasileira (FAB), é um CubeSat 6U para pesquisas científicas na ionosfera. Isso quer dizer que são satélites miniaturizados (nanossatélites) formados por unidades de cubos com 10 cm de lado, sendo cada unidade com o valor de 1U (do inglês Rack Unit, equivalendo a 1,75 polegada ou 44,45 mm). Alguns destes nanossatélites, como o SPORT, estão na vanguarda do conhecimento, sendo capazes de realizar certas funções que grandes satélites realizam, porém a um custo bem mais baixo, o que os torna bastante atrativos para a aplicação em pesquisa espacial.

O Diretor-Geral do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), Tenente-Brigadeiro do Ar Maurício Augusto Silveira de Medeiros, e o Reitor do ITA, Professor Doutor Anderson Ribeiro Correia, estiveram presentes no LIT para observarem a preparação para embarque do nanossatélite brasileiro. Acompanhados pelo Gerente do Projeto, Professor Doutor Luís Loures, foram recebidos pelo Diretor do INPE, Clezio Marcos de Nardin e pelo Coordenador-Geral de Engenharia, Tecnologia e Ciência Espaciais, Geilson Loureiro.

O Professor Doutor Luís Loures afirmou que é uma etapa essencial de um trabalho de desenvolvimento tecnológico de alta complexidade e que a expectativa agora será a colocação do satélite em órbita. “Após quatro anos de trabalho árduo, chegamos a uma etapa importante, que é o envio do nosso satélite para os Estados Unidos, de onde ele será lançado para o espaço. Esse trabalho propiciou um grande desenvolvimento para a Engenharia Espacial do ITA e essa conquista nos deixa muito felizes e certos de que estamos cumprindo nosso papel de qualificar profissionais para atuarem na indústria aeroespacial brasileira.”, afirmou.

Já o Reitor do ITA declarou ser uma grande expectativa. “Esta etapa desfecha um trabalho de desenvolvimento tecnológico de alta complexidade e inicia uma outra que é a colocação em órbita do nosso satélite. Agora é aguardar o lançamento e esperar por um perfeito funcionamento do SPORT”, salientou

Missão do nanossatélite

O SPORT tem a missão de monitorar a ionosfera (camada superior da atmosfera), coletando dados para o estudo dos efeitos das tempestades solares, que ocasionam perturbações em atividades da sociedade atual, tais como a interrupção do sinal GPS, o black-out de comunicações, interrupção na transmissão de energia e muitos outros.

O Diretor-Geral do DCTA, Tenente-Brigadeiro do Ar Medeiros, falou sobre o projeto. “O SPORT é resultado do trabalho integrado dos alunos do Centro Espacial ITA junto aos técnicos do INPE e a pesquisadores da NASA e de universidades norte-americanas em coordenação com o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial. Essa sinergia é fundamental para quem quer estar na fronteira do conhecimento. Como resultado ganha o Brasil, ganha o nosso Programa Espacial”, concluiu.

Fotos: Sargento Roberto

Marcelo Barros, com informações e imagens da Agência Força Aérea
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui