O 7º Batalhão de Engenharia de Combate concluiu, no dia 12 de maio, o último poço artesiano da Operação Seridó I. A operação, iniciada em outubro de 2021, perfurou e instalou 12 poços em 10 municípios do Rio Grande do Norte, entregando as benfeitorias cinco meses antes do prazo final de 24 meses.

A Operação Seridó I, uma parceria entre o Exército Brasileiro e o Ministério do Desenvolvimento Regional, tem a missão de garantir que comunidades do sertão nordestino tenham acesso direto à água para a sua própria subsistência hídrica, deixando de depender de entregas por caminhões-pipa. As obras foram coordenadas pelo 1º Grupamento de Engenharia e executadas pelo 7º Batalhão de Engenharia de Combate.

Benefícios da Operação

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O trabalho executado incluiu planejamento, reconhecimento de engenharia, perfuração, teste de vazão, análise da água, instalação de bombas, equipamentos de cloração e entrega do poço. Além disso, foi necessária a instalação de equipamentos dessalinizadores para o tratamento da água nos poços com alto teor de sal. Todo esse trabalho foi realizado com sucesso por um efetivo de 172 militares.

Os municípios beneficiados foram Acari, Alexandria, Cruzeta, Currais Novos, Florânia, João Dias, Pau dos Ferros, São Vicente, Jucurutu e Parelhas. As comunidades foram selecionadas a partir de dados da Operação Carro-pipa, visando atender o maior número de cidadãos.

O impacto positivo da Operação Seridó I já pode ser sentido nas comunidades beneficiadas. Antes dependentes da distribuição da água por caminhão-pipa, que atendia a comunidade uma vez a cada dez dias, agora, os poços artesianos provêm 2.840 litros de água por hora, equivalente a dois caminhões-pipa por dia.

article?img id=16589353&t=1684418723794
article?img id=16589360&t=1684418724722
article?img id=16589361&t=1684418725545
article?img id=16589362&t=1684418726306
article?img id=16589363&t=1684418727260
article?img id=16589364&t=1684418728006
article?img id=16589365&t=1684418728915
article?img id=16589366&t=1684418729735
Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).