Diante de uma grave crise de abastecimento de água provocada por uma catástrofe climática, a Marinha do Brasil demonstra mais uma vez seu papel essencial em operações humanitárias, enviando duas estações móveis de tratamento de água ao Rio Grande do Sul. Os equipamentos, que têm capacidade de produzir 20 mil litros de água potável por hora, chegaram ao estado a bordo do Navio Aeródromo Multipropósito (NAM) “Atlântico”, o maior navio de guerra da América Latina.

OPERAÇÃO “ABRIGO PELO MAR – RS” EM PLENO FUNCIONAMENTO

blank

Desde o início da catástrofe, a Marinha, em conjunto com a Defesa Civil, vem atuando ativamente na região através da Operação “Abrigo pelo Mar – RS”. Nos últimos dez dias, a operação já mobilizou recursos impressionantes, incluindo oito navios, 11 aeronaves, 50 embarcações, 70 viaturas e 2.000 militares. Além disso, um Hospital de Campanha foi instalado em Guaíba, com capacidade para 40 leitos, começando a operar no dia 9 de maio, oferecendo serviços essenciais de saúde para as vítimas da crise.

TECNOLOGIA E CAPACIDADE DAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO

As estações de tratamento de água enviadas são equipadas com tecnologia de filtragem química, que inclui o uso de alúmen, carbonato de sódio e cloro. Este processo permite a transformação rápida da água captada dos rios em água potável, segura para o consumo humano. Estas estações são fundamentais tanto para o sustento das tropas envolvidas nas operações quanto para auxiliar no abastecimento da população local.

IMPACTO DAS AÇÕES E CONTINUIDADE DO APOIO

A chegada do NAM “Atlântico” não só reforça a capacidade de resposta a desastres da Marinha, mas também traz esperança e suporte concreto para as centenas de milhares de pessoas afetadas pela falta de água. Adicionalmente, o navio trouxe 130 toneladas de donativos e seis toneladas de ração animal para pets resgatados, mostrando o compromisso da Marinha com o bem-estar de toda a comunidade, incluindo os animais afetados pelo desastre.

Marcelo Barros, com informações da Agência Marinha
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).