A Colômbia é um dos países que possui minas explosivas no solo, oriundas de conflitos ao longo da história, e que, até hoje, causam vítimas. Para colaborar com o país na retirada desses artefatos, oficiais brasileiros do Grupo de Assessores Técnicos Interamericanos na Colômbia (GATI-CO) certificaram quatro militares colombianos em desminagem humanitária.

A cerimônia ocorreu na quarta-feira (30), em Bogotá, capital do país. O evento marcou a finalização de sete semanas de instruções práticas e teóricas, baseadas em exigências estabelecidas pela Organização dos Estados Americanos (OEA). Os instrutores foram os engenheiros Major Cláudio Santos Bispo, do Exército, e Capitão-Tenente (FN) Gustavo Lopes da Silva Freitas, da Marinha.

“Os novos monitores poderão fiscalizar, assessorar e garantir o controle de qualidade em todas as etapas de uma operação de desminagem, a ser executada para a remoção de minas e artefatos explosivos ainda existentes em alguns municípios do país”, ressaltou o Major Bispo.

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui