No contexto da crescente preocupação com a preservação das terras indígenas e o combate às atividades ilegais, a Marinha do Brasil desempenha um papel crucial na Operação “Catrimani II”, focada no combate ao garimpo ilegal na Terra Indígena Yanomami (TIY). Recentemente, entre os dias 15 e 22 de abril, foi dado um passo significativo com a preparação de uma nova base de apoio em Kayanaú, estrategicamente planejada para fortalecer a presença do Estado e a segurança na região.

Apoio Logístico da Marinha e Desafios Enfrentados

blank
Tripulação do UH-15 após conclusão de mais um dia de transporte de cargas – Imagem: Marinha do Brasil

Sob a operação denominada “Hopiti”, a instalação desta base temporária, que pode acomodar até 45 pessoas, é um testemunho da complexidade logística que envolve a preservação de áreas remotas como a TIY. O 2º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (EsqHU-2) da Marinha utilizou o helicóptero Super Cougar (UH-15) para transportar cerca de 19 toneladas de materiais, incluindo itens essenciais como combustível e outros insumos. Este transporte foi crucial, dadas as condições desafiadoras da região, que incluem matas densas e pistas de pouso precárias, tornando o apoio aéreo indispensável.

Colaboração Intersetorial e Impacto Estratégico

A montagem da base é uma ação coordenada que envolve múltiplas agências e órgãos de segurança pública, refletindo uma abordagem integrada no combate ao garimpo ilegal. Esta segunda fase da Operação “Catrimani II” segue após uma fase inicial dedicada à assistência humanitária, destacando uma evolução no compromisso das Forças Armadas com a região. O Chefe do Estado-Maior Conjunto da Operação, Contra-Almirante Luis Manuel de Campos Mello, enfatizou a importância dos recursos das Forças Armadas adaptados para operar em tais ambientes desafiadores.

Importância da Operação para a Comunidade Yanomami e o Brasil

Chefe do Estado-Maior da Operação acompanha o andamento da construção – Imagem: Marinha do Brasil

A instalação da base não apenas aumenta a capacidade de monitoramento e ação rápida contra infrações ambientais e ilegalidades, mas também representa um marco importante no respeito e proteção dos direitos dos povos indígenas Yanomami. As ações preventivas e reativas realizadas a partir desta base são fundamentais para garantir a integridade deste território, que é tanto cultural quanto ecologicamente significativo.