Uma reunião estratégica entre a Marinha do Brasil (MB) e o Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) reforçou a cooperação para avanços tecnológicos e capacitação no setor nuclear brasileiro. O encontro, realizado no dia 13 de junho, contou com a presença do Almirante de Esquadra Alexandre Rabello de Faria, Diretor-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha.

Liderança e Participação

blank

A comitiva da Marinha, liderada pelo Almirante Rabello, incluía o Vice-Almirante Celso Mizutani Koga, Diretor do Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo, o Contra-Almirante Alexandre de Vasconcelos Siciliano, Diretor do Centro Tecnológico da Marinha no Rio de Janeiro, e o Contra-Almirante Márcio Ximenes Virgínio da Silva, Diretor do Centro de Projetos de Sistemas Navais. Também participaram autoridades do Instituto de Pesquisas da Marinha, do Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira, do Centro de Análise de Sistemas Navais da Marinha e do Centro Tecnológico do Corpo de Fuzileiros Navais.

Visita aos Laboratórios

O Centro de Tecnologia da UFRJ abrange a Escola Politécnica (POLI) e o Instituto Alberto Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia (COPPE). Durante a visita, a Marinha conheceu diversos laboratórios, incluindo o de Análises Ambientais e Simulação Computacional, Física Aplicada, Controle e Automação, e Nano e Microfluídica. Esses laboratórios realizam pesquisas avançadas que beneficiam diversas áreas, como segurança nuclear e inteligência artificial.

Palestra sobre CT&I

A visita começou com uma palestra do Almirante Rabello sobre o Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) da Marinha. Ele destacou a importância das parcerias e do intercâmbio de conhecimentos para promover a inovação tecnológica sustentável. A apresentação foi direcionada a diretores, coordenadores, professores e alunos da graduação e pós-graduação, ressaltando a sinergia entre as instituições.

Impacto e Inovação

Thaís Hauraudou, doutoranda em Física Nuclear Aplicada, comentou sobre a relevância do intercâmbio: “É inspirador saber que a Marinha está comprometida com a inovação no setor nuclear. A palestra do Almirante Rabello nos mostrou a importância de trabalharmos juntos para alcançar avanços significativos.”

Foco na Segurança

O professor Roberto Schirru, chefe do Laboratório de Monitoração de Processos, explicou que o local é um centro de pesquisas nucleares que desenvolve sistemas pioneiros, como o SICA-A1 e SICA-A2, para monitorar a segurança das usinas nucleares de Angra. “Utilizamos técnicas avançadas de computação para impulsionar a inovação e a segurança no setor nuclear”, afirmou Schirru.

Compromisso com o Futuro

O Almirante Rabello enfatizou o compromisso com a capacitação e tecnologia nuclear, essencial para o Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) e outros setores estratégicos, como medicina nuclear e segurança alimentar. “Investir em tecnologia nuclear é um compromisso com o presente e com as futuras gerações”, disse Rabello.

Colaboração e Progresso

Para a professora Inayá Lima, do Departamento de Engenharia Nuclear da POLI/UFRJ, a colaboração com a Marinha é crucial para o progresso da engenharia nuclear no Brasil. “Essa parceria fortalece a pesquisa, a inovação tecnológica e a formação de profissionais capacitados”, destacou Inayá.

Marcelo Barros, com informações e imagens da Agência Marinha
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui