Joe Biden bloqueia investimentos contra Huawei e mais 58 empresas chinesas

blank
Clubhouse app blocked in China. Image: tech2/Nandini Yadav

Por Bruno Bertonzin

Nesta sexta-feira (4), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, assinou uma ordem executiva que mantém a Huawei na lista de restrições comerciais do país, e expandiu para 59 o número de companhias de origens chinesas que estão impedidas de receber apoio de empresas ou investidores norte-americanos.

A administração de Joe Biden aparentemente não vai aliviar para a Huawei, algo esperado por muitos após a sucessão da presidência do republicano Donald Trump para o rival democrata no pleito.

A gigante chinesa sofreu forte repressão nos últimos anos e se viu forçada, inclusive, a lançar seu próprio sistema operacional, o HarmonyOS, para “sobreviver” com a impossibilidade de negociar com o Google em seus celulares. Isso deve ser repetir com o novo ocupante da Casa Branca, e a fabricante de smartphones continua inclusa na lista de restrições comerciais dos Estados Unidos.

Além da Huawei a lista inclui outras 58 empresas chinesas, e todas estão impedidas de receber investimento norte-americano sob o mesmo pretexto — o suposto risco de espionagem e o trabalho em conjunto com o governo chinês.

Na lista, destaca-se ainda outras empresas de tecnologias, como a HiVision — uma das maiores fornecedoras de sistemas de vigilância do mundo — e a fabricante de semicondutores SMIC.

Em relação ao bloqueio à HiVision, Joe Biden destaca, ainda, a suposta atuação da empresa em casos de repressão contra uigures (povo de origem turcomena) e as violações aos direitos humanos: “Acho que o uso da tecnologia de vigilância chinesa fora da RPC (República Popular da China) e o desenvolvimento ou uso da tecnologia de vigilância chinesa para facilitar a repressão ou graves violações dos direitos humanos constituem ameaças incomuns e extraordinárias.”

Além de Huawei, HiVision e SMIC, a lista de bloqueios mantém, ainda, algumas das principais operadoras de telefonia chinesas, como a China Mobile, a China Telecommunications e a China Unicom.

Vale lembrar que outra empresa que estava inclusa na lista de bloqueio de Donald Trump, no ano passado, era a Xiaomi. No entanto, a companhia conseguiu contornar a situação e escapou das restrições de Joe Biden no último mês de maio.

Fonte: CNN BusinessTuttoAndroid

Assine nossa Newsletter


Receba todo final de tarde as últimas notícias do Defesa em Foco em seu e-mail, é de graça!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui