Foto: TV Brasil/Divulgação

As Forças Armadas do Brasil, incluindo a Aeronáutica, o Exército e a Marinha, retomaram a distribuição de alimentos às aldeias localizadas no interior da Terra Indígena Yanomami, em Roraima e parte do Amazonas, a partir de 8 de maio. Mais de 12 mil cestas básicas, fornecidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), serão transportadas nos próximos dias para enfrentar a emergência em saúde pública e a insegurança alimentar na Operação Yanomami.

Segundo a Força Aérea Brasileira (FAB), cada cesta pesa até 21,5 quilos e inclui itens como arroz, leite em pó integral, farinha de mandioca, castanha-do-Brasil, flocos de milho, sardinha e carne dessalgada. Desde 3 de fevereiro, quando a Operação Yanomami foi deflagrada, mais de 430 mil quilos de alimentos, medicamentos e outros suprimentos já foram entregues às comunidades com o apoio militar.

A grave crise humanitária enfrentada pelas comunidades Yanomami nos últimos anos ganhou destaque na imprensa no início deste ano, com imagens de crianças e adultos indígenas desnutridos e informações alarmantes sobre a situação. Em resposta, o governo federal implementou uma série de ações para socorrer as comunidades locais e retirar os não-índios da área de usufruto exclusivo indígena.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O Ministério da Saúde relatou que, nos últimos anos, pelo menos 570 crianças indígenas morreram de desnutrição e outras causas evitáveis, e que em 2022 foram confirmados 11.530 casos de malária na Terra Indígena Yanomami. A pasta declarou Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional para combater a falta de assistência sanitária aos Yanomami, mobilizando militares das Forças Armadas para distribuir alimentos e prestar atendimento médico.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).