Rio de Janeiro (RJ) – O Centro Tecnológico do Exército (CTEx) foi sede da 20ª Reunião de Projetos de Ciência, Tecnologia e Inovação de Interesse da Defesa (20ª REPID), que discutiu a gestão de projetos, ampliação das capacidades das Forças Armadas e o fortalecimento da Base Industrial de Defesa. O evento aconteceu entre os dias 11 e 13 de junho, no Rio de Janeiro.

Três projetos, um de cada Força, foram apresentados para fazer parte da Carteira de Projetos da REPID. O da Marinha é o Criptoken, que permite a comunicação segura entre as organizações militares das forças singulares e em operações conjuntas. O do Exército é o Centro de Manufatura Aditiva, que visa ao desenvolvimento de insumos nacionais para manufatura aditiva e procedimento de configuração de equipamentos de manufatura aditiva. O projeto da Força Aérea é o desenvolvimento de ferramentas avançadas de apoio à decisão em tempo real para ensaios em voo.

O último dia do evento contou com ciclo de palestras, proferidas pelo Doutor Eduardo Soriano Lousada, do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações, pelo General de Divisão R1 Waldemar Barroso Magno Neto, do Ministério da Defesa, e pela especialista em inovação Marcela Mazzoni, da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial. As apresentações foram seguidas por debates e discussões sobre as definições e enquadramentos dos projetos, que poderão entrar para a carteira de projetos da REPID.

Após a assinatura da ata e o encerramento formal do evento, os participantes visitaram a exposição de projetos de Defesa e as instalações e laboratórios do CTEx.

A Reunião

A REPID ocorre anualmente, sob coordenação do Departamento de Ciência, Tecnologia e Inovação da Secretaria de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa. Conta com a participação de autoridades do MD, bem como das Forças Singulares e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

A organização da REPID é feita por rodízio pelas três Forças Singulares. Prevê-se que a próxima edição seja sediada pela Força Aérea Brasileira, em julho de 2023, no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, em São José dos Campos (SP).

Fonte: Centro Tecnológico do Exército

Marcelo Barros, com informações e imagens do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui