Manaus foi o ponto de partida para a Operação Curaretinga IV, uma ação estratégica do Comando Militar da Amazônia (CMA). Esta operação, focada na região de tríplice fronteira entre Brasil, Peru e Colômbia, já causou impactos significativos ao garimpo ilegal. Até o momento, 39 dragas foram neutralizadas, reforçando a presença e ação do Exército Brasileiro na região.

Parcerias e Apoio Logístico

A operação, que conta com a participação de militares do Comando de Fronteira Solimões / 8º Batalhão de Infantaria de Selva, está sob a coordenação da 16ª Brigada de Infantaria de Selva (16ª Bda Inf Sl). Além do esforço militar, a operação tem o apoio crucial do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam). Juntos, esses órgãos têm mostrado eficiência e prontidão operacional. Adicionalmente, os militares têm prestado apoio logístico à Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI), facilitando o deslocamento para a Terra Indígena do Vale do Javari.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Preservação e Proteção da Amazônia Ocidental

O principal objetivo da operação é preservar a Amazônia Ocidental e garantir ações efetivas de proteção ambiental. Utilizando dados de inteligência, as tropas atuam na proteção das comunidades indígenas e na fiscalização rigorosa da fronteira. A 16ª Bda Inf Sl tem ampliado sua presença na região, realizando as Operações Ágata em diversos níveis. O balanço do primeiro semestre destaca apreensões milionárias, incluindo drogas, ouro e óleo diesel.

Compromisso com a Legalidade e Proteção da Fronteira

A atuação do CMA contra ilícitos transfronteiriços e ambientais é fundamentada na Lei Complementar nº 97. Através de patrulhas e operações militares, o CMA busca inibir ações ilegais na Amazônia Ocidental, uma região de vital importância estratégica para o Brasil.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).