De 31 de maio a 9 de junho, uma comitiva brasileira formada por representantes do Ministério da Defesa (MD), do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER), da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE) e do Centro de Operações Espaciais (COPE), participou ativamente da 66ª sessão do Comitê para o Uso Pacífico do Espaço Exterior (Committee on the Peaceful Uses of Outer Space, COPUOS, em inglês), em Viena, na Áustria.

Nesse importante fórum de discussão, os representantes brasileiros participaram de debates construtivos acerca de questões ligadas ao uso pacífico do espaço, compartilhando conhecimentos, experiências e visões com delegações de outros países. Esse diálogo reafirmou o compromisso do Brasil com os princípios estabelecidos nos tratados internacionais e sua disposição em contribuir para o avanço da governança espacial global.

Comprometimento com a Sustentabilidade e Cooperação Internacional

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

3

A presença e participação ativa da comitiva no COPUOS ressaltou a determinação do Brasil em trabalhar em favor da sustentabilidade das atividades espaciais de longo prazo, reforçar as capacidades nacionais e fomentar a cooperação internacional nesse setor estratégico. Além disso, a comitiva brasileira contou com o suporte da Embaixada do Brasil na Áustria, que representa o país na ONU em Viena, bem como representantes do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCTI) e da Agência Espacial Brasileira (AEB).

Busca por Parcerias e Avanços Científicos e Tecnológicos

Para o Brigadeiro do Ar Renato Alves de Moraes, a participação do Brasil nesse evento evidenciou a disponibilidade do país para estabelecer novas parcerias, investimentos e avanços científicos e tecnológicos que beneficiem não apenas o Brasil, mas toda a comunidade internacional.

“O COPUOS desempenha um papel fundamental no multilateralismo internacional, onde os países podem expressar de maneira equânime suas opiniões sobre questões legais e técnicas da área espacial, direcionando esforços para o seu uso pacífico e sustentável e visando ao desenvolvimento socioeconômico das nações. Para tanto, o Brasil tem buscado exercer, desde a sua fundação, participação ativa e crescente, através das instituições nacionais de interesse, sob a coordenação e liderança da embaixada brasileira em Viena”, concluiu o Oficial-General.