O Comando Conjunto Ágata Amazônia realizou, na manhã desta quarta-feira (19/04), uma reunião de coordenação com diversos órgãos federais, buscando intensificar a atuação conjunta das Forças Armadas e desses órgãos nas ações de prevenção e repressão a crimes transfronteiriços e ambientais. Integrantes do Comando Militar da Amazônia (CMA) participaram da reunião, que visa combater as atividades ilegais na Amazônia Ocidental.

Reu Inter 01

Reunião busca estreitar laços entre instituições para planejamento e execução das operações

O Comandante do Comando Conjunto Ágata Amazônia, Vice-Almirante Lobo, e o Chefe do Estado-Maior Conjunto, General de Brigada Moussallem, receberam representantes da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (CENSIPAM), Fundação Nacional dos Povos Indígenas (FUNAI), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Polícia Federal e Secretaria Especial de Saúde Indígena (SESAI). A reunião teve como objetivo estreitar a tomada de decisões quanto aos planejamentos das futuras operações.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Trabalho cooperativo entre Forças Armadas e órgãos federais é essencial

Segundo o Vice-Almirante Lobo, a colaboração entre as instituições é fundamental para garantir a efetividade das ações na Amazônia e o bem-estar dos povos que lá vivem. “As três Forças operam de maneira muito sinérgica, isso acontece há décadas. Eu acredito que, ao tratar das ações em conjunto com outras instituições, contribuem para o êxito da Operação, uma vez que nós somos complementares”, afirmou.

Durante a reunião, o General Moussallem apresentou aos agentes a área de operações, os meios a serem empregados e a execução das ações. Os representantes dos órgãos federais puderam apresentar sugestões para auxiliar no planejamento e potencializar a atuação conjunta das Forças Armadas e das interagências.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).