Meios operativos do CHN-4 em regresso de comissões Hidrográficas

Os navios subordinados ao Centro de Hidrografia e Navegação do Norte (CHN-4) realizaram, no dia 23 de dezembro, um desfile pela Baía do Guajará, em Belém (PA), em celebração ao encerramento do Ano Hidroceanográfico 2022. Os meios operativos cumpriram as comissões previstas no Plano de Trabalho de Hidrografia: ao longo de 2022, foram percorridas 10.500 milhas náuticas, com cerca de 4.000 Km² de áreas sondadas.

Os navios realizaram levantamentos hidrográficos na barra Norte do rio Amazonas e na região dos “Estreitos” – diversos furos hidroviários do sudoeste do Arquipélago do Marajó, no Pará.

O CHN-4 atualizou 17 cartas náuticas e publicou a carta 4020A – Porto de Santarém. Os trabalhos também incluíram o restabelecimento de 29 boias e as manutenções de 23 faróis e faroletes.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Participaram dos levantamentos os navios NHo Garnier Sampaio (H37), NHiB Tenente Castelo (H19), AvHoFlu Rio Tocantins (H12), AvHoFlu Rio Xingu (H13) e AvB Denébola.

Cartas náuticas

As Cartas Náuticas são documentos cartográficos que resultam de levantamentos de áreas oceânicas, mares, baías, rios, canais, lagos, lagoas, ou qualquer outra massa d’água navegável e que se destinam a servir de base à navegação.

Esses documentos fornecem informações sobre profundidades, perigos à navegação (bancos, pedras submersas, cascos soçobrados ou qualquer outro obstáculo à navegação), natureza do fundo, fundeadouros e áreas de fundeio, auxílios à navegação (faróis, faroletes, bóias, balizas, luzes de alinhamento, radiofaróis), altitudes e pontos notáveis aos navegantes, linha de costa e decontorno das ilhas, elementos de marés, correntes e magnetismo e outras indicações necessárias à segurança da navegação.

FOTO 2 0
Desfile marcou o encerramento do Ano Hidroceanográfico em 2022
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).