Cartilha Interativa: Uma Ferramenta Lúdica para Combater a Violência Contra Crianças e Adolescentes

Com a alarmante constatação de que a cada 24 horas, 320 crianças e adolescentes são vítimas de exploração sexual no Brasil, a necessidade de ações efetivas de conscientização e proteção é mais urgente do que nunca. A Fundação para a Infância e Adolescência do Rio de Janeiro, em uma iniciativa louvável, está distribuindo mais de 3,5 mil cartilhas interativas destinadas a educar e empoderar os jovens a reconhecer e responder a situações de violência e abuso.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Cartilha Interativa: Um Caminho para o Reconhecimento e a Ação

A cartilha, que incorpora jogos e atividades lúdicas, é uma ferramenta inovadora que visa facilitar a identificação de casos de violência, seja ela física, psicológica, sexual, de negligência ou abandono. Por meio de um QRCode, os jovens podem acessar a cartilha interativamente em computadores ou smartphones, tornando o aprendizado sobre seus direitos e deveres uma experiência dinâmica e envolvente.

Foco na Discussão e na Proteção dos Direitos

Danielle Gimenez, gerente do Programa de Atenção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Violência, destaca a importância de abordar a questão em diversos espaços, incluindo escolas, grupos religiosos e lares. O diálogo aberto e a conscientização são essenciais para ensinar as crianças e adolescentes como lidar com situações de violência, seja em casa ou na rua.

Desigualdade Social como Fator de Risco

A desigualdade social, especialmente para crianças negras em situação de vulnerabilidade econômica, é um fator que agrava o contexto de risco e amplifica as situações de violência. A cartilha busca ser uma ferramenta de apoio e empoderamento, especialmente para aqueles em situações mais vulneráveis, proporcionando conhecimento e caminhos para a proteção.

Denúncia e Ação: Caminhos para a Mudança

A cartilha também orienta sobre como agir e denunciar casos de violência contra crianças e adolescentes. Com instruções claras para contatar as autoridades através do 190, Disque 100, Justiça ou Conselho Tutelar, a cartilha não apenas educa, mas também encoraja a ação e a responsabilidade cívica em face de tais violações dos direitos.

Com informações da Agência Brasil



Maceió em Foco