Na manhã desta quinta-feira, a Marinha do Brasil, em uma ação coordenada com a Polícia Federal, conseguiu um grande feito na segurança marítima ao interceptar a embarcação CAVALEIROS, carregada com aproximadamente 1,1 tonelada de pasta base de cocaína. Esta operação começou na noite de terça-feira, sob a coordenação do Comando do 2º Distrito Naval e demonstra a vigilância constante nas águas da Baía de Aratu, área crítica para o tráfico marítimo.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

DETALHES DA OPERAÇÃO DE APREENSÃO

O Navio-Patrulha “Guaratuba”, junto à Lancha de Inspeção Naval Blindada “Caraúna”, foram cruciais para o sucesso da operação. A abordagem ocorreu após intensa vigilância e terminou com a embarcação sendo rebocada para a Base Naval de Aratu, onde permanecerá até a decisão judicial sobre seu destino. Este trabalho conjunto incluiu também apoio de unidades locais da Polícia Civil e Grupamento de Fuzileiros Navais de Salvador, reforçando o papel essencial da colaboração interagências.

CONTEXTO HISTÓRICO DAS OPERAÇÕES INTERAGÊNCIAS

Historicamente, o Com2ºDN tem sido palco de operações bem-sucedidas. Desde 2021, diversas ações semelhantes resultaram na apreensão de ilícitos significativos e na repressão de crimes ambientais. Exemplos anteriores incluem a apreensão de grandes quantidades de cigarros contrabandeados e outras drogas, todas conduzidas com o apoio de diferentes forças de segurança, destacando a importância da cooperação para a segurança nacional.

IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA INTERAÇÃO INTERAGÊNCIAS

Para o comandante do 2º Distrito Naval, Vice-Almirante Cambra, a sinergia entre a Marinha e outros órgãos de segurança é fundamental para proteger os interesses nacionais e garantir a segurança marítima. As águas brasileiras, conhecidas como Amazônia Azul, cobrem mais de 5,7 milhões de quilômetros quadrados e são vitais para o país não apenas economicamente, mas também para a soberania nacional.

Essas operações refletem o compromisso do Brasil em manter suas águas seguras e livres de atividades ilícitas, destacando a capacidade e prontidão das forças envolvidas.