Marabá (PA) – O Comando Militar do Norte (CMN) coordenou, no período de 11 a 15 de julho, o Exercício de Simulação Construtiva, com a participação do Comando de Operações Terrestres (COTER) e da 23ª Brigada de Infantaria Selva (23ª Bda Inf Sl), realizado no Simulador de Adestramento de Comando e Estado-Maior (SIMACEM) do Centro de Adestramento – Leste (CA-Leste), no Rio de Janeiro (RJ).

O Exercício do tipo simulação construtiva, também conhecido por “Jogos de Guerra”, teve por finalidade o adestramento do estado-maior da 23ª Bda Inf Sl e das organizações militares diretamente subordinadas, por intermédio da execução de tarefas no Simulador de Comando e Estado-Maior.

O termo “Jogos de Guerra” refere-se a um exercício tático envolvendo tropas e todo o material bélico de dotação, operando sistemas simulados, controlados por agentes reais, normalmente numa situação de comandos constituídos. A ênfase dessa modalidade é na interação entre agentes, divididos em forças oponentes que se enfrentam, reagindo a problemas militares apresentados sob o controle de uma direção de exercício. Seu emprego principal é no adestramento de comandantes e estados-maiores, no processo de tomada de decisão, e no funcionamento de postos de comando e de sistemas de comando e controle, utilizando o software do Sistema COMBATER.

COMBATER é um simulador construtivo para exercícios de simulação, desenvolvido a partir do software francês Sword, pela empresa RustCon. O Combater pode ser utilizado em exercícios de nível unidade, brigada e divisão. Permite simular operações de combate nos diversos ambientes operacionais do território nacional, de acordo com a doutrina militar do Exército Brasileiro.

Ao término da Simulação Construtiva, foi realizada uma análise pós-ação, que teve como finalidade explorar as lições apreendidas, as melhores práticas, os pontos fortes e as oportunidades de melhoria. O SIMACEM colabora com a operacionalidade da Força Terrestre, empregando a simulação construtiva e auxiliando no adestramento do alto escalão por meio do cenário digital.

Fonte: Comando Militar do Norte

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui