ABIMDE realiza plenária na sede da FIERGS, em Porto Alegre

A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE) realizou na última terça-feira, 6, mais uma edição de reunião plenária para as associadas da Base Industrial de Defesa e Segurança (BIDS), na sede da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (FIERGS), em Porto Alegre (RS).

 

Salão com pessoas sentadas Descrição gerada automaticamente

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O Vice-Presidente da FIERGS e Presidente do Comitê da Indústria de Defesa e Segurança (COMDEFESA), Gilberto Porcello Petry, fez a abertura do evento e agradeceu a presença da diretoria da ABIMDE na capital gaúcha. Na plenária, em formato híbrido, os participantes acompanharam a apresentação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), conheceram as “Potencialidades do Estado do Rio Grande do Sul em Defesa e Segurança”, bem como as últimas atualizações do setor.

O presidente da ABIMDE, Dr. Roberto Gallo, agradeceu a participação do senhor Glauco Corte, presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina e vice-presidente executivo da CNI , em nome de quem cumprimentou todas as  autoridades e instituições representadas. O Dr. Gallo ressaltou a relevância das empresas associadas situadas no Rio Grande do Sul pertencentes à Base Industrial de Defesa e Segurança e suas contribuições para a manutenção da soberania nacional.

Ao apresentar o palestrante, destacou a relevância de um dos vetores que compõem a engrenagem da defesa: os instrumentos financeiros. O tema que foi abordado pelo BNDES.

 

9k=

A apresentação foi dividida em duas partes. Na primeira, o engenheiro do Departamento de Bens de Capital, Mobilidade e Defesa da Área de Indústria e Serviços do BNDES, Sergio Schmitt, contextualizou a conjuntura recente da indústria brasileira e seu processo de desindustrialização e os danos decorrentes disso.

“A indústria, além de representar os melhores empregos, tem papel crucial na difusão tecnológica, na geração de inovação para a economia, além de ser responsável pelas exportações de maior valor agregado de um país”, disse.

Segundo Schmitt, o novo ciclo governamental estabeleceu como prioridade a reindustrialização. “A missão do país passa pela transição de uma economia mais próspera, verde, industrial e inclusiva”.

Ele explicou que a política do BNDES está pautada na articulação de políticas públicas e no financiamento a missões industriais em quatro eixos de atuação: descarbonização e transição climática; fortalecimento de cadeias estratégicas, com papel preponderante do setor de defesa e aeroespacial; transformação digital e, por fim, bioeconomia e materiais estratégicos.

As perspectivas para o setor são as melhores. Schmitt disse que as metas para a reindustrialização são ambiciosas e tem projeção de aumento de 30% no valor investido pelo BNDES até 2026.

Em complemento, o gerente de projetos do BNDES, Marcelo Dias Ferreira, falou sobre o programa do banco na área de defesa, que está referenciado pela Política Nacional de Exportação e Importação de Produtos de Defesa (PNEI-PRODE), com prerrogativas dos Ministério da Defesa (MD) e das Relações Exteriores (MRE).

Desde 2018, Marcelo trabalha em parceria com o MD, graças a um memorando de entendimento, em vigor até 2024, no qual são trocadas informações e são propostas modificações nas políticas industriais e nas políticas operacionais em apoio a Defesa.

“O BNDES apoia a capacidade produtiva das nossas indústrias, compras internas das polícias e forças de segurança estaduais e municipais e, também, a exportação da base industrial de defesa e segurança, desde que haja a concordância do MD e MRE”, destacou.
Marcelo esclareceu que foi criada uma metodologia específica para a defesa. Existem produtos para o financiamento da produção de bens destinados à exportação, para a emissão de garantias contratuais e o financiamento da comercialização no exterior de bens exportados do Brasil.

O BNDES produziu, com o MD, a Cartilha do Exportador de Defesa, onde está disponível um mapeamento com todas as informações necessárias para quem deseja exportar, as formas de financiamento, a quem consultar, contatos e demais dados. Acesse a Cartilha em:

 

Uma imagem contendo Site Descrição gerada automaticamente

Código QRDescrição gerada automaticamente

Outro tópico abordado foi sobre como manter a BID perene e sustentável a longo prazo.

Outro tópico abordado foi sobre como manter a BID perene e sustentável a longo prazo. Para Marcelo, as demandas têm que estar alinhadas em quatro bases: pesquisa, desenvolvimento e inovação; encomendas tecnológicas; compras governamentais; e exportações.

O palestrante detalhou ainda dados sobre a ABGF – Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias, empresa pública, sob a forma de sociedade anônima, que administra fundos garantidores e presta garantias às operações de riscos diluídos em áreas de grande interesse econômico e social. O Banco do Brasil foi outra instituição citada, por sua função na equalização da taxa de juros.

Finalizando sua apresentação, o gerente de projetos deu alguns exemplos de projetos que têm sido acompanhados – e não financiados – pelo banco com a validação de empresas de conteúdo nacional. A Fragatas Classe Tamandaré da Marinha foi apontada por sua transferência de tecnologia, estímulo a mão de obra qualificada e geração de empregos. Houve mais de 150 fornecedores nacionais interessados, de 10 estados do país, e foram gerados mais de nove mil empregos diretos e indiretos.

Comitê da Indústria de Defesa e Segurança do Rio Grande do Sul

O Vice-Presidente da FIERGS, Gilberto Porcello Petry, falou sobre o estado Rio Grande do Sul, suas potencialidades, sua importância no cenário nacional e o papel do COMDEFESA. Ele destacou números da indústria gaúcha que representa 6,4% do PIB, 9,4% dos estabelecimentos industriais, 7,8% dos empregos, 6,8% das exportações e 9,4% da arrecadação do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

Gilberto descreveu a indústria composta por pequenas e médias empresas, de alta densidade do fazer, ou seja, com o espírito regional com intensa vontade de fazer acontecer, de realizar. “Esta disposição tem uma relevância muito importante sobre a disponibilidade e capacidade de reação no caso de uma indústria de defesa”, defendeu.

Segundo ele, a maior concentração de PIB industrial começa por Porto Alegre, seguida por Canoas, Caxias do Sul, com as mais variadas competências: metalurgia, siderurgia, fundições, autopeças, mecânica, material elétrico, telecomunicações, eletrônica, sistemas embarcados, circuitos integrados, semicondutores, química, petroquímica, veículos especiais, armas, munições, medicamentos, fármacos, papel celulose, entre outros.

“Todos sabemos que a defesa é mais do um instrumento de combate, a defesa começa desde a alimentação, suprimento e, neste sentido, imaginando uma indústria de defesa com capacidade de suprir as necessidades, temos áreas como a alimentação, que é muito forte, químicos, máquinas, equipamentos, produtos de metal, eletrônica, enfim, temos um rol bastante grande de indústrias passíveis de fornecimento para a defesa”.

No Rio Grande do Sul foram listadas quatro empresas na área da defesa, 10 empresas estratégicas de defesa e um sem-número de empresas com capacidades de suprir demandas de defesa.

“O COMDEFESA parte de uma crença que é sólida aqui na FIERGS da importância essencial de uma economia industrial competitiva para que tenhamos uma sociedade próspera e estável. Muito mais do que gerar empregos de qualidade precisa-se pensar na distribuição e geração de renda pelo trabalho, de forma produtiva e agregando valor na vida do cidadão”, completou.

O comitê tem sua atuação pautada em três pilares. O primeiro é difundir a importância de uma indústria local, forte, consistente, como acontece em muitos países no mundo, depois estabelecer vinculações com as entidades compradoras e financiadoras e a operacional, de vinculação direta.

O Presidente do COMDEFESA destacou ainda algumas atividades desenvolvidas pelo Comitê, sua área de abrangência, alcance, estudos e ações em prol da indústria do Sul do país.

Realizações da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

O diretor-executivo da ABIMDE, coronel Armando Lemos fez o fechamento da plenária com a atualização de atividades e participação nos próximos eventos, como o II Seminário de Fomento da Indústria Aeroespacial, com participação do Presidente-Executivo da ABIMDE, general Aderico Mattioli, como palestrante.

Além dos eventos, o coronel falou sobre o lançamento do livro que conta a história da “Indústria de Defesa no Brasil”, que tem a finalidade de mostrar à sociedade a importância e o impacto que este setor tem para o Brasil.

Também foi feita uma atualização sobre os serviços oferecidos pela Associação, como a Divisão de Certificação de Produtos Controlados, que certifica produtos baseado nas normas estabelecidas pelo Exército. A ABIMDE também foi designada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública para certificar produtos da área de segurança pública.

A Associação está oferecendo um novo serviço que é o levantamento de licitações nacionais e internacionais, por meio do qual serão passados avisos diários sobre as licitações de diversos países do mundo, com os temas de interesse pré-definidos pelas empresas associadas.

O coronel Lemos destacou a criação dos dois comitês temáticos: o Comitê de Marcos Legais e Regulatórios e o Comitê de Segurança Pública como o setor é heterogêneo, temos subsetores dentro do setor macro que precisam ser tratados com suas peculiaridades.

O diretor-executivo mencionou ainda o relacionamento da ABIMDE com os Ministérios da Defesa e das Relações Exteriores no compartilhamento de oportunidades de negócios internacionais. A Associação recebe periodicamente solicitações com estas oportunidades provenientes de diversos países, como Colômbia, Equador, Peru, Nigéria, Finlândia e Alemanha.

O executivo citou a profícua parceria da ABIMDE com a Agência Brasileira de Inteligência-ABIN e o trabalho para difusão do Plano Nacional de Proteção do Conhecimento.

Por fim, após apresentar as empresas associadas da região sul, o coronel deu as boas-vindas às novas associadas: a GOLDENDOME, fornecedora de equipamentos de segurança e a OMID Solutions, empresa de soluções de cloud corporativa e data centers.

Logotipo Descrição gerada automaticamente                                  Logotipo, nome da empresa Descrição gerada automaticamente

 

Fonte: Portal BIDS