Imagem: Reprodução/Youtube

“Pecar pelo silêncio, quando se deveria protestar, transforma homens em covardes”
Ella Wheeler Wilcox

Passado 01 ano dos episódios marcantes ocorridos em 08/01/2023, uma nova fronteira foi estabelecida entre a direita e a esquerda nacional, mutuamente envolvendo pessoas civis e militares de ideologias políticas divergentes ou não. A partir daquela fatídica data, sem fim na memória de muitas famílias brasileiras, foram agravados os impasses dos diálogos sobre a (in)credibilidade do último processo eleitoral presidencial. Em alguma medida, um questionamento é passível de ser depreendido: tais fatos lembram a invasão do Capitólio na última transição de governo estadunidense?

A depredação constatada em Brasília, viralizada mundialmente pelas diversas mídias eletrônicas, revelou atos de barbáries na ordem de mais de R$ 40 milhões de prejuízo material para a União, além da degradação da imagem do país para a comunidade internacional. No decorrer de 2023, medidas foram implementadas para serem alcançados os líderes e demais responsáveis pelas ações e omissões apuradas. Desde então, muitos foram apontados como participantes, porém pouco ainda foi demonstrado sobre as origens do suposto plano (“golpe”) que gerou um caos, sem precedentes, contra a democracia nacional.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

No Brasil, nos dias seguintes ao 08/01, um sentimento comum foi compartilhado por grande parte da população, bem como uma sensação de fragilidade dos órgãos públicos de Defesa e Segurança. Indo direto ao ponto, para padronização de definição, o consenso relacionado à vergonha pode ser compreendido como o sentimento de que algo parece inadequado, segundo uma convicção pessoal ou coletiva. Seja pelos inocentes eventualmente acusados, pela provável motivação dos atos ou, ainda, por todo o cenário anárquico experimentado, talvez esse sentimento reflita melhor o que foi observado no seio da sociedadebrasileira. Em complemento, potencializando as tensões, as Forças Armadas e as instituições de segurança interna do Distrito Federal foram, expressivamente, desacreditadas em muitos aspectos pela opinião pública.

Finalmente, a vergonha, muito possivelmente, foi a perspectiva de muitos cidadãos que, perplexos, testemunharam por diversos meios tudo o que ocorreu na capital federal. Portanto, sem dúvida, no presente mais do que no passado, sabemos que é importante residir em um Estado democraticamente seguro, em quepodemos saber a verdade sobre os múltiplos assuntos de interesse público, como o triste e dispensável 08/01/2023.

Brasil, mostra a tua cara e, sobretudo, que logo volte a sorrir.