A história militar brasileira é rica em episódios de coragem, determinação e heroísmo. Um dos capítulos mais emblemáticos é, sem dúvida, a Tomada de Monte Castelo, ocorrida em 21 de fevereiro de 1945. Esse feito notável da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Campanha da Itália é um símbolo da contribuição do Brasil para a vitória dos aliados na II Guerra Mundial. Em reconhecimento a esse marco histórico, o Comando Militar do Nordeste promoveu uma solenidade memorável no Forte Guararapes, em Recife, Pernambuco, presidida pelo General de Exército Maurilio Miranda Netto Ribeiro, uma celebração que reforçou os laços entre o passado glorioso e o presente de constante vigilância e respeito às tradições militares.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Uma Cerimônia de Respeito e Memória

A escolha do Forte Guararapes como palco para essa solenidade não foi ao acaso. Este local, carregado de significado histórico, serviu como o cenário perfeito para homenagear os bravos “pracinhas” brasileiros que lutaram com honra e valentia na Itália. A cerimônia contou com a presença de autoridades militares de alta patente, incluindo Oficiais Generais da ativa e veteranos, além de Comandantes das Organizações Militares da Guarnição de Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes, demonstrando a unidade e o respeito mútuo que caracterizam as forças armadas brasileiras.

A Importância da Preservação da Memória

Além da participação de militares, o evento foi marcado pela presença de presidentes e integrantes de associações de militares da reserva, bem como representações de tropas da Guarnição, refletindo o amplo espectro da comunidade militar e civil que se une para preservar e honrar a memória dos que lutaram pela liberdade. Essa solenidade anual reafirma o compromisso do Brasil com a manutenção de sua história militar, reconhecendo os sacrifícios feitos em prol de um mundo mais justo e pacífico.

O Legado da Força Expedicionária Brasileira

A Tomada de Monte Castelo é mais do que uma vitória militar; é um testemunho da capacidade de superação e do espírito indomável do soldado brasileiro. A atuação da FEB na Campanha da Itália ajudou a mudar o curso da história, contribuindo decisivamente para a derrota do Eixo. Esse legado é um lembrete poderoso do papel do Brasil no cenário internacional e da importância de cultivar valores como coragem, integridade e amor à pátria.

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).