No último fim de semana, os municípios de Itaperuna e Bom Jesus de Itabapoana, no noroeste do Rio de Janeiro, receberam o suporte vital de um destacamento de Fuzileiros Navais, em uma operação que simboliza o compromisso da Marinha do Brasil com a proteção civil e o socorro em situações de emergência. Este contingente faz parte do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais em Apoio à Defesa Civil (GptOpFuzNav-ApDefCiv), uma força especial ativada especificamente para responder a emergências decorrentes das intensas chuvas que assolam a região Sudeste do Brasil.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Ação Rápida e Eficiente

blank

Com a previsão de fortes chuvas que ameaçavam agravar ainda mais a situação no estado do Rio de Janeiro, o GptOpFuzNav-ApDefCiv foi colocado em alerta máximo desde a última quinta-feira. Com aproximadamente 300 militares e 50 viaturas a postos, além de uma variedade de equipamentos essenciais, o grupamento estava pronto para ser empregado nas localidades mais afetadas. A rápida mobilização desses militares para Itaperuna e Bom Jesus de Itabapoana, seguida de ações concretas como a distribuição de alimentos e a desobstrução de vias, destacam a prontidão e eficácia do Corpo de Fuzileiros Navais em momentos críticos.

Solidariedade e Suporte

As atividades desenvolvidas pelos Fuzileiros Navais nessas localidades não se limitaram ao apoio logístico; elas também representaram um forte símbolo de solidariedade nacional. As palavras do Prefeito de Bom Jesus de Itabapoana, Paulo Sérgio Cyrillo, ressaltam a importância da chegada desse suporte oficial e o impacto positivo da atuação da Marinha do Brasil na recuperação da normalidade e na reconstrução das áreas afetadas.

Preparação Contínua para Emergências

O Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais em Apoio à Defesa Civil, com base em Duque de Caxias, permanece em prontidão para ser empregado em outras regiões conforme a necessidade. Esta prontidão não apenas reforça a capacidade de resposta rápida a emergências em qualquer ponto do território nacional, mas também evidencia o papel crucial das Forças Armadas na gestão de crises e no apoio às comunidades em momentos de necessidade.

Marcelo Barros, com informações da Agência Marinha
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).