O Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval Almirante José Maria do Amaral Oliveira (CIAAN) reforçou recentemente o treinamento de sobrevivência, escape e evasão. O programa, que incorpora técnicas, táticas e procedimentos baseados em doutrinas internacionais como a da OTAN, é um componente crucial na preparação de militares para lidar com situações de combate e evasão em áreas hostis.

O Desafio da Evasão

blank

Durante o exercício de evasão, os Oficiais-Alunos tiveram a missão de alcançar um Ponto de Extração Pré-Definido (SAR DOT) seguindo um plano de evasão. O objetivo era serem recuperados por uma aeronave do 2º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral (EsqdHU-2), aplicando as técnicas aprendidas para garantir a sobrevivência em ambiente de combate e o abandono seguro de área hostil.

O Papel dos Tripulantes Aéreos de Resgate (TAR)

Os Tripulantes Aéreos de Resgate (TAR) tiveram papel fundamental na condução do treinamento. Eles foram responsáveis por ministrar palestras e oficinas que instruíram os alunos sobre a conduta do evasor. As técnicas ensinadas incluíram camuflagem, sinais e gestos, despistamento, noções de armadilhas anti-pessoal, comunicação, senhas, códigos e procedimentos de autenticação. Todos estes conhecimentos estão alinhados à doutrina de Busca e Salvamento em Combate.

Importância da Doutrina de Personnel Recovery

O treinamento permitiu ainda aprimorar a qualificação dos TAR na execução de operações de resgate em ambiente hostil ou potencialmente hostil, conhecidas internacionalmente como “Personnel Recovery”. Esta doutrina, importada da Força Aérea Brasileira, enfatiza os procedimentos de Busca e Salvamento em Combate, favorecendo a interoperabilidade entre as Forças na aplicação dos meios para o resgate.

Marcelo Barros, com informações e imagens da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).