Thales demonstra necessidade de resiliência cibernética no setor espacial durante exercício com a ESA

blank

A Agência Espacial Europeia (ESA) desafiou especialistas em segurança cibernética a interferir na operação do nanossatélite OPS-SAT de demonstração. Os participantes utilizaram técnicas éticas de ataques hackers para assumir o controle de sistemas essenciais do satélite, como o sistema de posicionamento global, o sistema de controle de atitude e a câmera integrada. A equipe de segurança cibernética ofensiva da Thales trabalhou com a Instalação de Avaliação da Segurança de Tecnologia da Informação (ITSEF) do Grupo neste exercício, que destacou a necessidade de resiliência cibernética no ambiente operacional específico do espaço.

A equipe da Thales explorou diversas vulnerabilidades e introduziu códigos maliciosos nos sistemas dos satélites, comprometendo os dados enviados à Terra e modificando as imagens capturadas pela câmera do satélite. A demonstração foi realizada para ajudar a avaliar o impacto potencial de um ataque cibernético real e suas consequências para os sistemas civis.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Durante o exercício, a ESA manteve acesso aos sistemas de satélite para permanecer no controle e garantir o retorno às operações normais. A Thales tem mais de 40 anos de experiência em segurança cibernética e atividades espaciais e aplica os princípios de “segurança cibernética por design” aos produtos que desenvolve para operadoras de satélites e agências espaciais.

Fonte: DCiber.org