Primeiro teste de Navegação do Submarino Riachuelo

Em setembro do ano passado, a Marinha do Brasil recebeu o submarino Riachuelo, que já se integrou às operações e atualmente passa por manutenção em Itaguaí, no Rio de Janeiro. Segundo informações, o Riachuelo já completou quase 140 dias de mar, patrulhando a extensa Amazônia Azul, reforçando a segurança marítima nacional.

Além do Riachuelo, outros dois submarinos estão previstos para serem entregues nos próximos anos: o Tonelero, em 2024, e o Angostura, em 2025. Esses submarinos fazem parte do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub), uma iniciativa estratégica para fortalecer a indústria de defesa nacional e a capacidade de proteção das águas territoriais brasileiras.

Base Naval em construção e avanço no treinamento das tripulações

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

O assessor-chefe do Programa de Submarinos da Marinha, contra-almirante Luiz Roberto Cavalcanti Valicente, também informou que a Base Naval, onde os submarinos serão alocados, ainda está em construção. No entanto, uma parte significativa já está concluída, incluindo a área de simuladores e de treinamento das tripulações. Essas instalações permitirão o aprimoramento das habilidades dos militares envolvidos nas operações dos submarinos, garantindo maior eficiência e segurança.

SCPN: o grande objetivo do Prosub e início da construção previsto para este ano

O Submarino com Propulsão Nuclear (SCPN) é o grande objetivo para o qual o Prosub foi concebido. Atualmente, o projeto do SCPN está na fase de detalhamento, e as primeiras partes do casco serão cortadas em testes ainda este ano na Itaguaí Construções Navais (ICN), uma empresa francesa. Embora não tenha sido estabelecida uma data específica para a entrega do SCPN, estima-se que isso ocorra a partir da década de 2030.

Com a entrega dos submarinos convencionais e a construção do submarino nuclear, o Prosub contribui para a consolidação do Brasil como uma potência naval e garante a proteção dos recursos naturais e da soberania nacional.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).