Proteção de Dados Pessoais Ganha Destaque Entre Provedores de Internet no Brasil

blank

blank

Uma pesquisa recente, a quinta edição da TIC Provedores, lançada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), revelou que 40% dos provedores de internet no Brasil agora contam com um departamento ou equipe exclusivamente dedicada à proteção de dados pessoais dos clientes. Este desenvolvimento supera a média do setor privado brasileiro, onde apenas 23% das empresas têm iniciativas similares.

Adoção da LGPD e Medidas de Segurança

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

As medidas adotadas pelos provedores para cumprir a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) incluem a criação de políticas de privacidade (57%) e a realização de testes de segurança para prevenir vazamentos de dados (58%). Além disso, 30% dos provedores designaram um funcionário específico para zelar pela proteção dos dados pessoais, um percentual significativamente maior do que o observado no total das empresas (17%).

Ataques de Negação de Serviços e Expansão de Empresas Médias

A pesquisa também indicou que 23% dos provedores sofreram ataques de negação de serviços (DDoS) em 2022, mantendo o mesmo patamar de 2020. Aumentou a quantidade de médias empresas no setor de internet, passando de 13% em 2020 para 17% em 2022, enquanto a participação de microempresas diminuiu.

Mudanças no Mercado e Fusões

O total de empresas de internet no Brasil era de 11.630 em 2022, menor que em 2020, que contava com 12.826 empresas em atividade. Esse cenário é atribuído às fusões e aquisições e ao interesse de fundos de investimento no setor, apontando para uma tendência de consolidação no mercado brasileiro.

Tecnologia de Conexão e Infraestrutura

A fibra óptica permanece como a principal tecnologia de conexão à internet no Brasil, utilizada por 95% dos provedores. Houve também uma mudança nas condições das redes de transmissão: a proporção de empresas que ofereciam acesso apenas por infraestrutura própria caiu de 70% para 60%, enquanto aquelas que adotaram um modelo misto aumentaram de 25% para 37%.

Fonte: DCiber.org

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).