Mais de 40 militares, incluindo os Comandantes dos 24 Pelotões Especiais de Fronteira (PEF)  em presença na área de responsabilidade do Comando Militar da Amazônia (CMA) participam da capacitação em utilização dos binóculos de tecnologia térmica avançada, com detecção de pessoas e veículos até 8 km (oito quilômetros de distância).

Os mais de 200 dos binóculos que serão distribuídos aos 24 PEF integrar-se-ão ao Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron). Todo o material encontra-se no 12º Batalhão de Suprimento (12º B Sup), Unidade responsável por realizar a distribuição, e também onde ocorre a capacitação dos militares. Os binóculos proporcionarão maior capacidade de observação, incrementando a segurança na faixa de fronteira.

O Sisfron é um sistema de sensoriamento e de apoio à decisão, atuando de forma integrada, e cujo propósito é fortalecer a presença e a capacidade de monitoramento e de ação do Estado na faixa de fronteira terrestre, potencializando a atuação dos entes governamentais com responsabilidades sobre a área. Foi concebido por iniciativa do Comando do Exército, em decorrência da atuação das Forças Armadas sob a égide do trinômio monitoramento/controle, mobilidade e presença.

Os binóculos vêm com tripé, baterias, cabos e computador para visualizar as imagens e possibilitam o aumento da consciência situacional dos militares em atuação das fronteiras. Utilizam tecnologia superior na ampliação da visão termal, com capacidade de juntar imagens e de geolocalização – processo que permite a localização baseada em coordenadas geográficas.

A capacitação é realizada pelos próprios técnicos da empresa fornecedora dos binóculos, Safran Eletrônica e Defesa Brasil. Segundo o gerente técnico Dimas Romano, o equipamento entregue ao Sisfron utiliza-se de sistema de controle não somente portátil, como também pode ser utilizado por meio remoto. “Esse sistema vai ajudar o Exército no processo de vigilância, fiscalização com mais detalhes no período noturno, tanto terrestre, como nos rios e até mesmo em ambiente de selva, que são atuações características daqui da região”, complementou.

O Comandante do 5º Batalhão de Infantaria de Selva (5º BIS) Comando de Fronteira Rio Negro – 2º Tenente Lopes -explicou que as atividades diárias de reconhecimento, vigilância, levantamento de dados geográficos, entre outros, serão incrementadas com a aplicação dos binóculos. “Temos atividades rotineiras na região de fronteira, que com os binóculos serão reforçadas, principalmente no combate a ilícitos  transfronteiriços”, comentou.

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui