Para discutir a gestão de projetos de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) empregáveis pelas Forças Armadas, ocorre a 20ª Reunião de Projetos de Ciência, Tecnologia e Inovação de Interesse da Defesa (Repid). O evento realiza-se entre 11 e 13 de julho, no Centro Tecnológico do Exército (CTEx), no Rio de Janeiro. Ampliar as capacidades das Forças Armadas e fortalecer a Base Industrial de Defesa são a finalidade da 20ª Repid.

Na ocasião, debatem-se, especialmente, as ações da parceria entre o Ministério da Defesa (MD) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), que buscam soluções científico-tecnológicas e inovações relacionados à Defesa e ao desenvolvimento nacional. Além disso, autoridades da Defesa atualizam-se sobre a situação e a evolução de projetos em andamento. Eles também avaliam novos projetos e compartilham informações, experiências, lições aprendidas e conhecimento entre as diferentes instituições de CT&I militares.

Entre os projetos apresentados, destacam-se: o Criptoken, da Marinha, que permite a comunicação segura entre as organizações militares das forças singulares e em operações conjuntas; o Centro de Manufatura Aditiva, do Exército, que visa o desenvolvimento de insumos nacionais para manufatura aditiva e procedimento de configuração de equipamentos de manufatura aditiva. E, da Força Aérea, o Desenvolvimento de Ferramentas Avançadas de Apoio a Decisão em Tempo Real para Ensaios em Voo (FAEV).

O Secretário de Produtos de Defesa (SEPROD) e Presidente da Repid, Marcos Degaut, abriu a reunião. Em discurso, ele salientou que o Ministério da Defesa busca, continuamente, incrementar a autonomia, a inovação e a prontidão tecnológica das Forças Armadas. Além disso, ele afirmou que a Pasta almeja contribuir com o desenvolvimento científico-tecnológico nacional, com a geração de emprego e renda, com o desenvolvimento socioeconômico do País e com o incremento da projeção geopolítica do Brasil nos cenários regional e internacional.

O Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim, esteve na conferência. O General Guido Amin Naves, Chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército, e anfitrião do evento, afirmou que “a autonomia e a prontidão tecnológica e estratégica são pilares sobre o quais repousam o desenvolvimento e a soberania de uma nação, sendo esta Repid uma oportunidade ímpar para se aprofundar na convergência, sinergia e efetividade dos projetos estratégicos de interesse do Estado e da sociedade brasileira e cuja implementação e busca por recursos ficam a cargo das Forças Armadas e do Ministério da Defesa”.

A Repid

A Repid ocorre anualmente, sob coordenação do Departamento de Ciência, Tecnologia e Inovação (DECTI) da Secretaria de Produtos de Defesa (SEPROD) do Ministério da Defesa (MD). Conta com a participação de autoridades do MD, bem como das Forças Singulares e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI).

A organização da Repid é feita em rodízio pelas três Forças Singulares. Prevê-se que a próxima edição seja sediada pela Força Aérea Brasileira, em julho de 2023, no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, em São José dos Campos (SP).

Assessoria Especial de Comunicação Social do Ministério da Defesa

Marcelo Barros, com informações do Ministério da Defesa
Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui