Desembarque de militares franceses durante exercício conjunto na Praia Mansa, em Fortaleza. - Imagem: 1oSG (MO) P Johson

Por Segundo-Tenente (RM2-T) Thaís Cerqueira Agência Marinha de Notícias

A “Operação Fortaleza” terminou hoje (1º) com uma Operação Anfíbia na Praia Mansa, na Região Metropolitana de Fortaleza (CE). O exercício conjunto entre a Marinha do Brasil, a Marinha Nacional da França e o Exército francês reuniu autoridades, imprensa e público para assistir a uma situação tática simulada, em que tropas embarcadas no Porta-Helicópteros Anfíbio (PHA) “Mistral” e no Navio-Patrulha Oceânico (NPaOc) “Araguari” realizaram um desembarque a fim de fazer a evacuação e o acolhimento de civis.

O exercício foi marcado pela ação combinada dos militares de ambas as nações, inclusive com franceses desembarcando dos Carros Lagarta Anfíbio (CLAnf) junto às tropas brasileiras. Para isso, foi essencial uma preparação prévia, como afirma o Capitão de Corveta (Fuzileiro Naval) Marcio Coelho Pires Filho. “Como a Marinha francesa não possui CLAnf, executamos, durante a fase de oficinas, uma familiarização combinada onde foram apresentadas as capacidades da viatura, procedimentos de segurança, métodos de embarque e desembarque e transferência de tropas em caso de emergência no mar”.

Operações combinadas como essa tem o intuito de reforçar a interoperabilidade das forças armadas envolvidas, como lembra o comandante do NPaOc “Araguari”, Capitão de Fragata James Acâmpora Bessa Pinto. “A Operação tem como propósito incrementar a capacitação dos militares e elevar o nível de interoperabilidade entre a Marinha do Brasil e a Marinha Nacional da França, com militares franceses embarcados no NPaOc ‘Araguari’ e militares brasileiros embarcados no PHA ‘Mistral’, contribuindo para a troca de experiências e o intercâmbio de procedimentos e conhecimentos”.

blank
NPaOc “Araguari” durante a Operação Anfíbia – Imagem: 1SG (MO) P. Johson

A Operação foi aberta ao público e recebeu alunos do Colégio Cívico Militar Batalha do Riachuelo. Foi a primeira vez que muitos deles acompanharam de perto uma ação como essa, como foi o caso do aluno João Pedro Fernandes de Alencar, de 17 anos: “Fiquei bastante orgulhoso em ver a atuação da Marinha brasileira junto à Marinha francesa, gostaria que outras pessoas também pudessem ver como funciona etapa por etapa dessas operações”.

Crianças assistiram de perto à Operação Anfíbia na Praia Mansa – Imagem: 2oTen (RM2-T) Thaís Cerqueira

O exercício combinado é importante como forma de preparação para eventuais empregos conjuntos. Como disse o Comandante do PHA “Mistral”, Capitão de Mar e Guerra Alexis Muller, durante coletiva de Imprensa realizada no local, “foi a primeira vez que os CLAnf do Brasil entraram no PHA ‘Mistral’. Isso foi um desafio técnico e tático para nos preparar para um futuro que necessite de uma operação de evacuação de civis em qualquer lugar do mundo”.

A Operação Anfíbia teve início com uma infiltração de militares de operações especiais na praia. Em seguida, houve desembarque da tropa por meio de CLAnf e a montagem e operação de uma área de acolhimento. Para que isso fosse possível, desde o último sábado (28 de maio) foram realizadas diversas oficinas e treinamentos.

Treinamento de tiro durante as oficinas – Imagem: 1oSG (MO) P Johson

 

Marcelo Barros, com informações e imagens da Marinha do Brasil
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui