blank

Depois de 10 dias, foi encerrada a Operação Conjunta Ágata Oeste, conduzida pelo Ministério da Defesa e realizada pela Marinha do Brasil (MB), Exército Brasileiro (EB) e Força Aérea Brasileira (FAB), com a participação de diversos órgãos de segurança pública e de fiscalização (OSPF) federais e estaduais. As ações do Comando Conjunto Oeste foram conduzidas pelo Comando Militar do Oeste.

De 18 a 27 de julho, a MB atuou com o emprego dos navios Monitor Parnaíba, Navio-Transporte “Paraguassu”, Navio de Apoio Logístico Fluvial “Potengi”, Navio-Transporte Fluvial “Almirante Leverger”, Navios-Patrulha “Penedo” e “Poti”, seis Lanchas de Operações Ribeirinhas, sete embarcações de casco rígido, duas lanchas de apoio, duas aeronaves e 534 militares. Os navios percorreram, no total, 3.754 km nos rios Guaporé, Paraguai e Paraná, nos Estados de Mato Grosso (MT), Mato Grosso do Sul (MS) e Paraná (PR), em ações de Patrulha, Patrulhamento e Inspeção Naval.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Foram fiscalizadas 533 embarcações, notificadas 64 e apreendidas 11. Em terra, Fuzileiros Navais percorreram 3.992 km para a realização de ações de Posto de Bloqueio e Controle de Estradas, com emprego de cães de guerra, resultando em 636 veículos inspecionados.

blank
Posto de Bloqueio e Controle de Estrada na região do Porto da Manga, em Corumbá(MS) / Imagem: Marinha do Brasil

Em conjunto com os OSPF, foram apreendidos 1.100 kg de maconha, 1.210 kg de carne imprópria para consumo, produtos de contrabando, como cigarros e eletrônicos, e realizadas autuações por pesca ilegal, somando cerca de R$ 4 milhões em multas e materiais apreendidos. No município de Japorã-MS, na fronteira com o Paraguai, militares do Destacamento de Mergulhadores de Combate, com apoio da Polícia Federal, Polícia Militar-MS e Departamento de Fronteira (DOF), realizaram a neutralização de porto clandestino utilizado para tráfico internacional de drogas e armas.

“Consideramos que os propósitos da Operação foram plenamente alcançados. Nossos militares e meios atuaram em conjunto com os órgãos de segurança, inclusive com pessoal embarcado nos navios, somando esforços para aumentar a sensação de segurança da população da região. Esse tipo de cooperação possibilita a troca de conhecimentos e o fortalecimento de ações em prol da sociedade”, ressaltou o Comandante da Força Naval Componente, Vice-Almirante Paulo César Bittencourt Ferreira.

As ações contaram com a participação de integrantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Receita Federal, Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Militar Ambiental, Agências Estaduais de Defesa Sanitária Animal e Vegetal e Delegacias de Repressão de Crimes de Fronteira.

Ações de Assistência Hospitalar 

Como parte das ações da Operação Conjunta Ágata Oeste, o Navio de Assistência Hospitalar (NAsH) “Tenente Maximiano” realizou, de 21 a 24 de julho, atendimentos médicos e odontológicos em Porto Murtinho, no sul do MS, na fronteira com o Paraguai. Com apoio de militares do EB e da FAB, embarcados no navio, a equipe médica efetuou 408 procedimentos médicos, 720 odontológicos e distribuiu 62 kits odontológicos à população.

Durante o período, militares da área de saúde visitaram o asilo “Lar dos Idosos – São Vicente de Paula” e a Casa Lar, de Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes.

“Além dos atendimentos, o navio promoveu à população de Porto Murtinho e região, a divulgação de orientações sobre a prevenção a doenças regionais e de saúde bucal”, destacou o comandante do NAsH “Tenente Maximiano”, Capitão-Tenente Eduardo Pontual Dubeux.