As operações psicológicas são um conjunto de técnicas e estratégias que visam influenciar a opinião e o comportamento de indivíduos ou grupos, geralmente em contextos de guerra ou conflito. Elas podem ser usadas para persuadir os inimigos a se renderem ou para influenciar a opinião pública de um país em relação a uma determinada questão.

Os militares geralmente usam as operações psicológicas como uma forma de apoiar as operações militares convencionais. Elas podem incluir ações como a distribuição de folhetos com propaganda para a população local, a realização de operações de propaganda de rádio e televisão, ou a realização de operações de “falso-flag” para desinformar o inimigo.

No entanto, é importante lembrar que o uso dessas técnicas pode ser altamente controverso, especialmente quando são usadas de maneira enganosa ou manipuladora. Alguns críticos argumentam que o uso de operações psicológicas pode ser considerado uma forma de propaganda desleal ou de guerra psicológica, e pode levar a violações dos direitos humanos. Por essa razão, o uso dessas técnicas é regulamentado por várias leis internacionais e é objeto de debate constante entre os especialistas em ética militar.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).