O navio que leva o cabo submarino de fibra ótica que fará a conexão de alta velocidade entre Brasil e a Europa zarpou hoje (14), segundo informou o Ministério das Comunicações. A embarcação partiu do Porto de Fortaleza em direção a Sines, em Portugal.

Em nota, a pasta informa que havia planos para começar o lançamento do cabo subaquático no período da manhã desta segunda-feira, mas eventos meteorológicos adversos atrasaram a operação. A distância estimada do cabo é de 6,2 mil quilômetros e ele fará a transmissão de dados entre os dois continentes de 72 terabits por segundo – velocidade considerada altíssima.

A operação para conectar os dois continentes deve demorar cerca de 3 meses e faz parte dos avanços tecnológicos que preparam terreno para a próxima geração de conectividade, a internet 5G. “O cabo, em alguns lugares, chega a 5 quilômetros de profundidade. É algo impensável, inimaginável, mas agora nós vamos ter uma conexão direta com a Europa. É uma grande entrega que vai ajudar o nosso país no escoamento de dados”, disse o ministro das Comunicações, Fábio Faria.

Rota complicada

Atualmente, todo o tráfego de internet entre Brasil e Europa se dá através de uma rota indireta, que necessita de servidores norte-americanos como ponte de comunicação – estrutura que gera um atraso no envio e recebimento de dados para os dois lados. Segundo informa o Ministério das Comunicações, a nova rota de dados cortará pela metade o tempo necessário para usuários brasileiros acessarem informações em servidores europeus e vice-versa.

O Ministério das Comunicações informa que o investimento para a nova rota foi de cerca de R$ 1 bilhão e foi financiado por uma empresa privada do setor de tecnologia e telecomunicações. A iniciativa, segundo informa a pasta, deve aumentar negócios digitais e atrair investimentos para o Brasil.

Fonte: Agência Brasil

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui