Google News

Em relatório divulgado hoje, Médicos Sem Fronteiras (MSF) mais uma vez pede aos líderes da União Europeia (UE) que mudem completamente sua abordagem à migração e que parem de intensificar suas atuais políticas de contenção e dissuasão, que estão causando danos evitáveis à saúde e ao bem-estar dos solicitantes de asilo, refugiados e outros migrantes.

“Por mais de cinco anos, a política da UE de conter pessoas em campos e processar os seus pedidos de asilo nas ilhas gregas criou uma crise sem precedentes e um enorme sofrimento humano. Essas não são consequências inesperadas”, disse Reem Mussa, consultor humanitário de MSF sobre migração e um dos autores do relatório. “Esse modelo da UE (de concentrar as pessoas nestes locais) é projetado não apenas para processar os pedidos de asilo de migrantes, mas também para dissuadir outros que se atrevam a buscar segurança na Europa.”

O relatório, “Construindo a Crise nas Fronteiras da Europa”, mostra como as políticas de migração da UE colocam em risco a saúde, o bem-estar e a segurança das pessoas presas nas ilhas gregas. As pessoas que sobreviveram à violência e às adversidades estão presas em condições terríveis, sem informações sobre sua situação legal e submetidas a rigorosos procedimentos de fronteira e de asilo. Este sistema provocou miséria, colocou vidas em perigo e corroeu o direito de asilo.

Durante 2019 e 2020, clínicas de saúde mental de MSF em Chios, Lesbos e Samos trataram 1.369 pacientes, muitos dos quais sofriam de graves problemas de saúde mental, incluindo transtorno de estresse pós-traumático e depressão. Mais de 180 pessoas tratadas por MSF causaram ferimentos em si mesmas ou tentaram suicídio. Dois terços delas eram crianças e a mais nova tinha apenas seis anos.

Pacientes de MSF citaram o estresse diário e os medos constantes como os principais fatores que afetam seu bem-estar e saúde mental. Isso inclui viver em condições precárias, procedimentos administrativos e de asilo complicados, exposição à violência e insegurança, separação familiar, necessidades médicas não atendidas e medo de deportação.

Além disso, durante anos, até os fundamentos mais básicos da vida foram negligenciados nas ilhas gregas. MSF e outras ONGs têm sido continuamente forçados a intervir para fornecer serviços essenciais, desde cuidados de saúde à água. Entre outubro de 2019 e maio de 2021, as equipes de MSF transportaram mais de 43 milhões de litros de água potável para as pessoas no superlotado acampamento de Vathy em Samos, onde a água não é segura para beber.

“Apesar de alegar uma mudança para melhor, a UE e o governo grego estão gastando milhões de euros para padronizar e intensificar políticas que já causaram muitos danos”, disse Iorgos Karagiannis, coordenador-geral de MSF na Grécia.

“É chocante ver que o campo de Moria, em Lesbos, que não era apenas disfuncional, mas mortal, tornar-se agora o modelo para um novo centro semelhante a uma prisão em Samos. A nova instalação fica em uma área remota e exposta da ilha e irá manter as pessoas em contêineres, cercadas por arame farpado, com entrada e saída controladas. Isso não pode ser considerado uma melhoria nas condições de vida das pessoas. Pelo contrário, isso continuará a causar danos na saúde mental das pessoas, uma nova crise de proteção e tornará o sofrimento dos migrantes presos nas ilhas gregas ainda mais invisível.”

A UE e o governo grego estão intensificando a crise com o planeamento de novos Centros de Recepção e Identificação em locais remotos nas ilhas gregas. Um desses centros restritivos já está sendo construído em Samos e pode estar funcionando em junho de 2021.

“Não é tarde para compaixão e bom senso. A UE e os seus Estados-Membros devem acabar com as políticas de contenção e garantir que as pessoas que chegam à Europa tenham acesso a assistência urgente e que seu acesso à proteção e à realocação para um acolhimento e integração seguros nas comunidades em toda a Europa seja facilitado”, finaliza Mussa.