Essa semana o Laboratório de Simulações e Cenários da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil (LSC/EGN-MB) encerrou o minicurso Cenários Prospectivos 2019, gratuito e aberto à comunidade. O minicurso teve o propósito de mostrar aos alunos e profissionais diversos o estudo e aplicação de métodos prospectivos.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

WhatsApp Image 2019-12-01 at 14.59.27
Cláudio Porto, Vinícius Janick e Cláudio Correia

Para isso, o evento contou com a colaboração de representantes de atores de peso para o desenvolvimento do Brasil, como o BNDES, Petrobrás, Embrapa, Macroplan, Brainstorming e Escola Superior de Guerra, além dos pesquisadores dos grupos do projeto “Cenários para Defesa – Métodos, práticas e tendências”, do próprio LSC. Com tamanha diversidade de perspectivas, a grande contribuição do minicurso foi deixar explicitas infinitas possibilidades da cenarização, e as oportunidades e desafios de cada esfera da sociedade, do setor público ao privado.

Em sua terceira edição, o minicurso teve número recorde de inscritos. Foram quase 200 inscrições, distribuídas em 40 vagas por meio de um critério que prezou pela diversidade de saberes, instituições e idades. De graduandos a Doutores, o minicurso contou com o interesse de representantes de 23 instituições de ensino (UFMG; Instituto Nacional da Propriedade Industrial; EGN; UFF; IME; UPorto; UFRJ; IBMEC; Centro Universitário São José; UFRRJ; IBMR; Universidade Cândido Mendes; PUC-RIO; ECEME; GEAI – GRUPO ESPECIAL DE ANÁLISE E INFORMAÇÃO; Escola de Inteligência e Segurança Pública do RJ; ESG; ADESG – RJ; Exército Brasileiro- Centro de Instrução de Guerra Eletrônica; UNIRIO; FGV; UFPE e IFSP), mostrando como o tema tem despertado o interesse da sociedade.

Com o encerramento do curso, os alunos foram convidados a renovar o corpo de pesquisadores do LSC. Aqueles que desejarem podem pleitear uma vaga em um dos grupos de pesquisa do projeto Cenários para Defesa, que abrangem os seguintes temas:

  • Bloco Métodos
    • Arranjos Metodológicos
  • Bloco Práticas
    • Benchmarking – Métodos
    • Benchmarking – Relatórios Civis e Militares
  • Bloco tendências
    • Tic e defesa
      • Internet das Coisas (IoT)
      • Inteligência Artificial
      • Cyber Segurança
    • Guerra do Futuro
    • Tendências de Impacto Marítimo-Naval
    • Cenários de Escassez
    • Segurança Espacial
      • Militarização
      • Eventos Eletromagnéticos
    • Biodefesa e Segurança Alimentar

Com informações de Vinícius Janick

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).