Militares brasileiros promovem visitas de instrução aos alunos do Curso de Monitor em Desminagem Humanitária na Colômbia

Bogotá (Colômbia) – Nos dias 25 e 26 de agosto, os oficiais brasileiros que integram o Grupo de Assessores Técnicos Interamericanos na Colômbia (GATI-CO), Tenente-Coronel de Engenharia do Exército Brasileiro Cláudio Santos Bispo e Capitão-Tenente (FN) da Marinha do Brasil Gustavo Lopes da Silva Freitas, conduziram a realização de visitas de instrução com os alunos do Curso de Monitor de Desminagem Humanitária na Colômbia.

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

Os instrutores e alunos, inicialmente, visitaram o Museu Militar da Colômbia que fica localizado no Centro Histórico de Bogotá. Na oportunidade, foram apresentados a evolução histórica e os espaços temáticos em homenagem às três Forças Militares colombianas, e armamentos, equipamentos e documentários sobre o “Batalhão Colômbia” que atuou na Guerra da Coréia.

O destaque da visita ao museu foi a exposição do material histórico coletado em pesquisas e entrevistas às vítimas civis e militares sequestradas, mantidas em cativeiros e até desaparecidas por grupos da narcoguerrilha que marcaram o país. Além disso, os alunos visitaram salas destinadas a homenagear os militares mortos ou feridos por minas explosivas e artefatos explosivos improvisados em operações militares.

Os oficiais brasileiros também proporcionaram uma visita ao Centro de Reabilitação Inclusiva destinado aos militares não mais considerados aptos às operações de desminagem, devido a acidentes causados por ação direta de uma mina ou artefato explosivo. Os alunos conheceram os espaços adaptados para os diversos tipos de tratamentos, as áreas de treinamento físico usadas, inclusive, pela equipe de desportos paralímpica colombiana, alguns simuladores de veículos e transportes públicos e uma residência modificada, a fim de adaptar as pessoas com restrições de movimentos às novas atividades cotidianas.

As atividades inovadoras promovidas pelos Assessores Interamericanos do Brasil aos alunos colombianos, contribuíram para ampliar o conhecimento histórico-militar e o senso crítico da origem e das consequências de toda mazela causadas pelas minas antipessoais e artefatos explosivos, que ainda hoje tanto impactam a Colômbia.

blank

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).