Nos dias 27 e 28 de janeiro, os militares brasileiros que integram o Grupo de Assessores Técnicos Interamericanos na Colômbia (GATI-CO), Tenente-Coronel de Engenharia do Exército Brasileiro Cláudio Santos Bispo e Capitão-Tenente (FN) da Marinha do Brasil Gustavo Lopes da Silva Freitas, realizaram a capacitação dos militares colombianos em Técnica de Detecção Canina (TDC).

Nos siga no Instagram, Telegram ou no Whatsapp e fique atualizado com as últimas notícias de nossas forças armadas e indústria da defesa.

A missão dos assessores interamericanos brasileiros é conduzir instruções e avaliações em algumas técnicas de detecção aos alunos do Curso de Monitor Nacional em Desminagem Humanitária (CMNDH). Dentre elas, destaca-se a canina, que vem sendo empregada largamente nas operações de desminagem na Colômbia pelas Organizações de Desminagem Humanitária (ODH).

Os instrutores do GATI-CO têm observado que o emprego do canino vem sendo bastante eficaz devido à excelência na preparação tanto dos guias quanto dos cães que, devido à sua inteligência aguçada, resistência física e precisão na detecção dos artefatos explosivos, conferem rapidez e confiabilidade aos trabalhos de desminagem.

Os oficiais brasileiros conduziram instruções para transmitir as exigências estabelecidas nas normas nacionais e internacionais que são utilizadas para garantir a gestão de qualidade na desminagem quando se utiliza essa técnica. Além disso, eles coordenaram com o Centro de Treinamento Canino o apoio nas instruções práticas e simulações, que permitiram aos alunos conhecer todos os procedimentos para a seleção, preparo e emprego dos cães em operações dessa natureza.

A participação da Engenharia do Brasil tem sido fundamental na guerra contra as minas antipessoal ainda existentes na Colômbia. A atuação dos oficiais brasileiros tem contribuído para o aperfeiçoamento dos militares colombianos que serão empregados na remoção dessas minas, o que promoverá uma maior segurança em algumas áreas do país, as quais ainda sofrem com esse perigo.

Fonte: Aditância do Brasil na Colômbia

Marcelo Barros, com informações do Exército Brasileiro
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).