No Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado em 5 de junho, militares da Base de Hidrografia da Marinha em Niterói (BHMN) realizaram uma ação significativa de limpeza na Baía de Guanabara. Equipados com botes, peneiras e sacos de lixo, os militares recolheram plásticos, garrafas e outros resíduos, destacando o compromisso da Marinha com a preservação ambiental.

Compromisso da Marinha com a Sustentabilidade

blank
Retirada manual de resíduos nas proximidades do CNPA

Projetos de sustentabilidade e preservação ambiental da Marinha

A Marinha do Brasil tem se destacado por seu compromisso contínuo com a sustentabilidade e a preservação ambiental. Diversas iniciativas e projetos são implementados para proteger os ecossistemas marinhos e costeiros. Um exemplo é o Programa de Monitoramento Ambiental, que visa acompanhar e mitigar os impactos das atividades navais no meio ambiente. A Marinha também participa ativamente de campanhas de reflorestamento de manguezais, recuperação de áreas degradadas e proteção de espécies ameaçadas.

Impacto das ações da Marinha na preservação dos ecossistemas costeiros

As ações da Marinha, como a limpeza da Baía de Guanabara, têm um impacto direto e positivo na preservação dos ecossistemas costeiros. A remoção de resíduos sólidos ajuda a prevenir a degradação ambiental, melhora a qualidade da água e protege a biodiversidade marinha. Além disso, essas ações promovem a conscientização ambiental entre os militares e a comunidade local, incentivando práticas sustentáveis e a responsabilidade coletiva pela proteção do meio ambiente.

A Base de Hidrografia da Marinha em Niterói (BHMN) desempenha um papel crucial nesse esforço, liderando iniciativas que não só beneficiam o meio ambiente, mas também reforçam o compromisso da Marinha com a sustentabilidade. A ação de limpeza realizada no Dia Mundial do Meio Ambiente é um exemplo claro dessa dedicação, evidenciando a importância de práticas proativas e contínuas na preservação dos recursos naturais.

Educação ambiental e conscientização

Além das ações práticas de limpeza, a Marinha do Brasil investe na educação ambiental como uma ferramenta fundamental para promover a sustentabilidade. Programas de capacitação e palestras são realizados para instruir os militares sobre a importância da preservação ambiental e as melhores práticas a serem adotadas. Essas iniciativas visam criar uma cultura de respeito e proteção ao meio ambiente, garantindo que as futuras gerações de militares continuem a valorizar e cuidar dos ecossistemas brasileiros.

A visita ao Museu Aeroespacial (MUSAL) e outras atividades socioeducativas realizadas pelo Programa Forças no Esporte (PROFESP) também reforçam a conscientização ambiental entre os jovens, preparando-os para se tornarem cidadãos conscientes e responsáveis. A integração dessas ações demonstra a abrangência do compromisso da Marinha com a educação ambiental e a sustentabilidade.

Marcelo Barros
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Digite seu nome aqui