Em comemoração aos 216 anos do Corpo de Fuzileiros Navais, o Centro de Operação de Paz de Caráter Naval (COpPazNav) inaugura um marco na relação entre as Forças Armadas e a imprensa com o lançamento do Curso de Cobertura Jornalística em Área de Combate. Uma iniciativa inédita que reúne cerca de 40 jornalistas de diversas regiões do Brasil para um treinamento intensivo de 45 horas, nas dependências do Complexo Naval da Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. Este curso não apenas enfatiza a importância da Amazônia Azul como patrimônio nacional, mas também destaca o papel crítico da mídia em reportar com precisão e responsabilidade os acontecimentos em zonas de conflito.

Aproximação entre Militares e Imprensa

blank

A abertura do curso contou com a presença do Almirante Carlos Chagas, que enfatizou a importância desta iniciativa para uma compreensão mútua entre militares e jornalistas, ambos comprometidos com a execução de seus trabalhos sob óticas distintas, mas complementares. Através deste curso, busca-se fomentar um entendimento profundo das operações militares, permitindo uma cobertura jornalística mais rica e detalhada.

Amazônia Azul: Um Tesouro Nacional

O Contra-Almirante Alexandre Taumaturgo Pavoni, ao discursar sobre a Amazônia Azul, trouxe à tona a discussão sobre a segurança marítima e a proteção desse patrimônio brasileiro. Sua explanação reforça a necessidade de uma cobertura jornalística qualificada que possa elucidar para a sociedade a importância estratégica do mar para o desenvolvimento e a soberania do Brasil.

Um Curso Diversificado e Prático

O programa de treinamento é rico e diversificado, cobrindo desde primeiros socorros, técnicas de negociação, até aspectos específicos como a ameaça Nuclear, Biológica, Química e Radiológica (NBQR), além de práticas como rapel e montagem de acampamento. Este formato prático visa preparar os jornalistas não apenas para reportagens em zonas de conflito, mas também para uma ampla gama de situações adversas que possam enfrentar em seu trabalho diário.

Perspectivas dos Participantes

Os jornalistas presentes, vindo de diversas partes do Brasil, compartilham um sentimento de entusiasmo e reconhecem a importância deste treinamento. Eduardo Anizelli, fotógrafo da Folha de São Paulo, ressalta o valor do curso frente ao cenário de guerra urbana no Rio de Janeiro, enquanto Anabel Reis, da Record TV, vê uma oportunidade de fortalecer a ponte de conhecimento entre a Marinha e os profissionais de imprensa. Rodrigo Lopes, da RBS TV, destaca a relevância do curso para uma atualização sobre a guerra moderna e seus aspectos geopolíticos.

Marcelo Barros, com informações da Agência Marinha
Jornalista (MTB 38082/RJ). Graduado em Sistemas de Informação pela Estácio de Sá (2009). Pós-graduado em Assessoria de Comunicação (UNIALPHAVILLE), MBA em Jornalismo Digital (UNIALPHAVILLE), Administração de Banco de Dados (UNESA), pós-graduado em Gestão da Tecnologia da Informação e Comunicação (UCAM) e MBA em Gestão de Projetos e Processos (UCAM). Atualmente é o vice-presidente do Instituto de Defesa Cibernética (www.idciber.org), editor-chefe do Defesa em Foco (www.defesaemfoco.com.br), revista eletrônica especializado em Defesa e Segurança, co-fundador do portal DCiber.org (www.dciber.org), especializado em Defesa Cibernética. Participo também como pesquisador voluntário no Laboratório de Simulações e Cenários (LSC) da Escola de Guerra Naval (EGN) nos subgrupos de Cibersegurança, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Especializações em Inteligência e Contrainteligência na ABEIC, Ciclo de Estudos Estratégicos de Defesa na ESG, Curso Avançado em Jogos de Guerra, Curso de Extensão em Defesa Nacional na ESD, entre outros. Atuo também como responsável da parte da tecnologia da informação do Projeto Radar (www.projetoradar.com.br), do Grupo Economia do Mar (www.grupoeconomiadomar.com.br) e Observatório de Políticas do Mar (www.observatoriopoliticasmar.com.br) ; e sócio da Editora Alpheratz (www.alpheratz.com.br).